“A mobilidade urbana sustentável é um dos desafios das cidades modernas”

“A mobilidade urbana sustentável é um dos desafios das cidades modernas”

“A mobilidade urbana sustentável é um dos desafios das cidades modernas que se vêem na iminência de adaptar o uso do seu espaço a uma nova forma de circular e de viver o território”. A declaração pertence a Vítor Ferreira, vereador dos Transportes e Obras Públicas da Câmara Municipal da Amadora.

O responsável que falou esta terça-feira, 21 de setembro, na conferência “ON Mobility”, inserida na Semana Europeia da Mobilidade, reforçou a importância de dotar as cidades de “mais e melhores condições de mobilidade urbana”, através da “aposta no transporte público pesado”, da “criação de meios de mobilidade suaves, sustentáveis e inclusivos” e da “criação de interface de transportes eficazes que permitam o abandono da ideia do automóvel individual como modo privilegiado de transporte urbano”.

Vítor Ferreira lembrou ainda que a mobilidade suave é um contributo no combate à crise climática, bem como no rumo à neutralidade carbónica, manifestando-se, igualmente, como uma das formas de alcançar os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) e comprimir o Green Deal. Também, o contexto pandémico, trazido pela Covid-19, serviu de lembrete para o responsável frisar que foram introduzidas “mudanças significativas” na vida quotidiana de todos: “Contribuiu para a criação de uma mudança no paradigma da vivência dos centro urbanos com o reaproveitamento do espaço público pelos cidadãos, que passaram a experienciar a cidade de forma diferente, alterando significativamente a forma com se vive o ambiente urbano”. 

E é nestas mudanças de paradigma que o concelho da Amadora se tem centrado, nomeadamente com a aposta forte na mobilidade suave: “Temos 41 km de pistas de caminhada construídos e mais 19 km em projeto. E temos 1,5 km de ciclovia e mais 12,5 km em projeto para execução”. Destaque também para a promoção da automatização das interfaces existentes no concelho como, por exemplo, os parques de estacionamento, a integração de vários meios de transporte público pesado (metro, comboio, autocarros), a criação de cais para bicicletas e trotinetes ou a integração de percursos de ciclovias e percursos pedonais. Já no âmbito metropolitano, o vereador destaca o investimento levado a cabo pelos municípios parceiros, como é o caso do passe metropolitano Navegante e o novo sistema tarifário Navegante. Outra das ações centra-se na criação da carris metropolitana, prevista iniciar operação a partir do dia 1 de julho de 2022 e que visa agregar as ligações intermunicipais na AML (Área Metropolitana de Lisboa), permitindo o conforto e a organização dos movimentos pendulares entre os municípios, “sempre numa perspetiva de sustentabilidade, quer na otimização do recurso, quer na criação de uma forma mais amiga do ambiente”.

Como notas conclusivas, Vítor Ferreira não deixou de apelar para que públicos e privados se juntem, no sentido em que, só em parceria é que é possível cumprir com os objetivos de mobilidade suave sustentável. E na Amadora não é exceção: “Queremos que os espaços públicos sirvam a população de acordo com os seus mais variados interesses”, remata.

Subordinada ao tema “(Re)Pensar a Mobilidade InterUrbana” a conferência ON Mobility, é um evento promovido pela Câmara Municipal da Amadora, no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade (16 a 22 de setembro).

Cristiana Macedo