AdCL reformula gestão operacional por meios remotos assegurando maior disponibilidade, eficiência e segurança

AdCL reformula gestão operacional por meios remotos assegurando maior disponibilidade, eficiência e segurança

Categoria Advisor, Empresas

A Águas do Centro Litoral (AdCL) concluiu no final de 2020 o projeto de reconversão dos anteriores sistemas de telegestão autónomos de abastecimento de água da Boavista/Ronqueira e de saneamento de águas residuais do Mondego numa única plataforma tecnológica, anuncia a empresa.

Mais de dez anos após a respetiva implementação, estes sistemas de telegestão foram agora reconvertidos no atual Sistema de Telegestão de Abastecimento de Água e Saneamento do Polo Mondego (que passa a abranger as infraestruturas dos municípios de Ansião, Arganil, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Góis, Leiria, Lousã, Mealhada, Miranda do Corvo, Penacova, Penela, Vila Nova de Poiares), tendo sido redesenhada a sua arquitetura e atualizadas as suas componentes de hardware e software, tornando-o assim mais eficaz e mais seguro.

Inserido no Plano Estratégico para a Telegestão da AdCL, orientado para a otimização tecnológica, funcional e operacional dos seus sistemas de telegestão e de automação, este projeto permite “adquirir melhores níveis de funcionalidade, disponibilidade e segurança na gestão operacional das instalações”, assim como “incrementar a qualidade e a agregação de dados operacionais”, gerando “informação acessível aos vários serviços e suportando melhor a decisão estratégica e operacional da empresa”, pode ler-se no comunicado da AdCL.

Esta reformulação incluiu, além da substituição do hardware servidor e cliente e da atualização do software SCADA para as versões mais atuais, a instalação de um novo centro de despacho de saneamento na ETAR do Choupal, a renovação do centro de despacho de abastecimento de água da Boavista e a implementação de uma arquitetura de segurança da rede OT e sua ligação à rede IT, aplicando aqui os mais recentes conceitos e boas práticas em matéria de segurança de sistemas. Incluiu ainda a uniformização gráfica e funcional das ferramentas de gestão remota e a criação de uma base de dados operacional agregadora dos quatro sistemas de telegestão da empresa: Mondego (abastecimento e saneamento); Lis (saneamento); Ria (saneamento) e Mata do Urso (abastecimento).

Os Sistemas de Telegestão da AdCL

Os Sistemas de Telegestão da AdCL permitem monitorizar o estado de condição e de sensorização das instalações, assim como comandar, por via remota, os equipamentos e sistemas hidráulicos em “alta” geridos pela AdCL, tanto a nível de abastecimento de água como de tratamento de águas residuais, centralizando todos processos operacionais e permitindo o controlo em tempo real do sistema, com vista a uma pronta atuação perante as ocorrências diárias.

Atualmente, estas plataformas já centralizam a operação de mais de 90% das instalações de abastecimento de água e saneamento da AdCL, contribuindo dessa forma para a gestão sustentável do ciclo da água (desde a captação, tratamento, transporte e distribuição em “alta”, até à recolha e rejeição do efluente).

A aposta na Telegestão na AdCL iniciou-se em 2004 com a implementação do sistema de telegestão de saneamento do Polo Ria, seguindo-se-lhe o sistema de telegestão de saneamento do Polo Lis, em 2007, e os sistemas de telegestão de abastecimento de água da Boavista e de saneamento do Mondego, respetivamente em 2010 e 2011. Em 2014 foi concluída a implementação do sistema de telegestão de abastecimento de água da Mata do Urso (Leiria).

Tem-se assim mantido e dado consequência à necessidade da empresa se dotar de ferramentas de gestão técnica, operacional e de decisão que lhe permita responder com elevada eficiência e qualidade de serviço à grande dispersão geográfica do Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e Saneamento do Centro Litoral e ao elevado número e complexidade de instalações, otimizando dessa forma a utilização dos seus recursos humanos e materiais.

A grande vantagem deste tipo de plataformas reside na capacidade de virtualmente transferir para um único local de controlo operacional (o centro de despacho) a quase totalidade da informação gerada nas instalações do sistema e a capacidade de atuar sobre a maior parte dos respetivos equipamentos. Acrescem ainda as vantagens relacionadas com o tratamento e disponibilização de informação operacional, assim como a capacidade de realização de uma importante parte das intervenções de assistência técnica ao próprio sistema de telegestão e às infraestruturas de automação.

A AdCL gere sete Estações de Tratamento de Água (ETA), 195 estações elevatórias de abastecimento de água e saneamento e 58 reservatórios, 67 Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) e 1.191 km de condutas e emissários.

Esta reformulação no Polo Mondego, que teve um investimento de 400 mil euros foi o primeiro dos projetos de reformulação de sistemas de telegestão previstos no Plano Estratégico para a Telegestão da AdCL a ser concluído, estando já em curso o projeto de reformulação dos sistemas de telegestão do Polo Lis e do Polo Ria. O projeto de reformulação do sistema de telegestão da Mata do Urso encontra-se previsto para 2022.