Alterações climáticas é a maior fonte de pessimismo para 73% dos jovens portugueses, revela estudo

Alterações climáticas é a maior fonte de pessimismo para 73% dos jovens portugueses, revela estudo

O estudo internacional do Observador Cetelem “Ser jovem hoje: que caminhos para a independência”, divulgado esta terça-feira, 26 de outubro, revela que 97% dos jovens preocupa-se com o ambiente – mais 10 p.p. que a média dos seis países europeus onde se realizou o inquérito (Portugal, Bélgica, República Checa, Itália, Roménia e Reino Unido).

Apesar de a larga maioria dos jovens portugueses inquiridos considerarem que os temas da igualdade de género, orientação sexual e cor da pele são os mais importantes para a sociedade – “66% jovens portugueses vs. 56% jovens europeus” –, a verdade é que esta camada também considera que os temas relacionados com a sustentabilidade são extremamente importantes. A evolução das alterações climáticas é aliás, neste contexto, a maior fonte de pessimismo para os jovens portugueses (73%), segundo os dados partilhados pelo Cetelem.

Desta forma, mais de metade dos jovens portugueses (51%) consideram que a transição energética (redução da pegada de carbono, o aquecimento global, etc.) é o segundo tema mais importante para a sociedade – estando acima da média europeia (39%) -, sendo ainda mais relevante para os jovens portugueses com rendimentos acima dos 1.500 euros. Seguem-se as questões relacionadas com a economia circular (37%), a proteção dos dados pessoais (37%), a compra/utilização de produtos e serviços de fornecedores locais (24%) e o desenvolvimento de novas formas de mobilidade, mais económicas e que poluam menos o ambiente (18%).

Como forma de contribuírem para um planeta melhor no seu dia-a-dia, os jovens europeus inquiridos revelam que tentam adotar formas sustentáveis de comprar ou utilizar: “93% dos jovens portugueses procuram não desperdiçar”; “82% procuram comprar menos, mas com melhor qualidade”; “71% procuram produtos locais” e “70% tentam comprar menos bens de consumo”, indica o estudo divulgada pelo Cetelem.