Alterações climáticas em emissão mundial de 24 horas

Alterações climáticas em emissão mundial de 24 horas

Mostrar as ameaças das alterações climáticas e as formas de as combater nos diferentes continentes é o objetivo da emissão mundial “Alterações Climáticas – 24 horas de realidade”, que começou ontem à noite. A iniciativa, transmitida pela internet e por canais de televisão, partiu de Al Gore, antigo vice-presidente dos Estados Unidos e Nobel da Paz que criou o “The Climate Reality Project”, uma organização que junta milhares de pessoas de todo o mundo preocupadas em resolver a questão das alterações climáticas.

A iniciativa, que começou às 23:00, hora de Lisboa, na sua sétima edição, vai dar a volta ao mundo e inclui a participação de músicos, da norte-americana Sheryl Crow ao indiano Shaan ou ao coreano Jay Park, passando por mais de 30 outros nomes, como Billy Bragg, Iggy Pop, Nile Rodgers ou Shawn Mendes. E pelas “24 horas” passarão também atores, especialistas em clima e políticos, da presidente do Chile à primeira-ministra da Nova Zelândia, todos com a intenção de deixar a mensagem de que é possível enfrentar as alterações climáticas.

Em Portugal a primeira parte da iniciativa é transmitida em direto pela RTP. Na tarde de terça-feira a emissão das “24 horas” é feita a partir de Paris e Londres, e é dedicada à Europa.

Na tarde de terça-feira o “The Climate Reality Project”, em parceria com a associação ambientalista portuguesa Zero e parceiros locais, vai dinamizar em vários locais do país a apresentação da maratona televisiva mas também pequenos debates sobre alterações climáticas.

Francisco Ferreira, dirigente da Zero, explicou à Lusa que as 24 horas de emissão têm em comum com os dois documentários sobre alterações climáticas o facto de mostrarem os impactos dessas alterações mas também as soluções.

“A ideia é fazer este alerta na forma de uma sessão contínua que envolve muitas personalidades públicas, sejam ligadas à política sejam ligadas ao meio artístico”, disse Francisco Ferreira, acrescentando que será dado grande ênfase às cidades e a relação com as alterações climáticas.