Alterações climáticas pela primeira vez no topo das preocupações do relatório Global Risk

Alterações climáticas pela primeira vez no topo das preocupações do relatório Global Risk

As alterações climáticas foram consideradas o risco com “maior impacto potencial este ano”, de acordo com o Global Risk Report 2016, no âmbito do qual 750 especialistas avaliaram 29 riscos globais por impacto e probabilidade, ao longo de dez anos.

Esta é a primeira vez, desde que o relatório tem vindo a ser publicado (2006), que um risco ambiental está no topo da classificação. Este ano, considera-se que este risco tem “maior potencial de danos do que armas de destruição em massa (2º), crises de água (3º), migração involuntária em grande escala (4º) e choque grave do preço da energia (5º)”.

Contudo, o risco número um, em 2016, em termos de probabilidade é “a migração involuntária em grande escala, seguida por eventos climáticos extremos (2º), falha na mitigação e adaptação às mudanças climáticas (3º), conflito interestatal com consequências regionais (4º) e grandes catástrofes naturais (5º)”.

Pela primeira vez, também, quatro das cinco categorias – ambiental, geopolítica, social e económica – estão representadas entre os cinco principais riscos de maior impacto. A única categoria não representada é o “risco tecnológico”, onde o risco de classificação mais elevado é o ciberataque, na 11ª posição em probabilidade e impacto.

O conhecimento das interconexões entre os riscos é “importante” para ajudar os líderes a eleger as áreas de ação prioritárias, bem como para planear a sua mitigação, lê-se no relatório.

“Nós sabemos que as mudanças climáticas estão a agravar outros riscos, tais como a migração e a segurança, mas estas não são as únicas interconexões que estão a evoluir rapidamente. As medidas de mitigação contra esses riscos são importantes, mas a adaptação é vital”, disse Margareta Drzeniek-Hanouz, chefe de Competitividade e Riscos Globais do Fórum Económico Mundial.