ANIPLA convida consumidores a conhecer realidade agrícola através da campanha “Considere os Factos”

ANIPLA convida consumidores a conhecer realidade agrícola através da campanha “Considere os Factos”

A Associação Nacional da Indústria para a Proteção das Plantas (ANIPLA) arranca hoje, dia 7 de maio, com o segundo ano da campanha “Considere os Factos”, uma iniciativa da associação que, ciente do cada vez maior afastamento entre os consumidores e os produtores agrícolas, pretende gerar o espaço necessário para o diálogo e debate público, aumentando o conhecimento como ferramenta para o combate aos mitos e desinformação que geram medo e insegurança às famílias portuguesas.

A necessidade de compreender o nível de conhecimento que os portugueses têm da realidade agrícola foi o mote para a realização de um estudo à população, em parceria com o Centro de Estudos Aplicados da Universidade Católica Portuguesa. Os resultados obtidos revelam o desconhecimento geral dos portugueses sobre alguns dos principais desafios colocados à atividade agrícola, como sejam a ligação entre a produtividade na agricultura e o preço dos alimentos.

Para o diretor-executivo da ANIPLA, António Lopes Dias, “É com enorme satisfação e sentido de responsabilidade que apresentamos o segundo ano da campanha ‘Considere os Factos’ depois de um primeiro ano de sucesso, em que o sector e a população portuguesa foram convidados a refletir sobre a alimentação e os mitos em torno da produção agrícola, evitando o medo e uma atitude negativa que gera desconfiança e insegurança”.

“Quando lançámos o mote da campanha em 2017 sabíamos que  abordávamos um tema que é tão importante à sociedade [a alimentação] mas que é tão mal compreendido. Todos os dias assistimos ao lançamento de novas campanhas sensacionalistas que descredibilizam a tecnologia, a agricultura e os métodos de produção, gerando depois insegurança nos consumidores e a tomada de decisões políticas contrárias à evidência científica”

A campanha “Considere os Factos” conta, uma vez mais, com o apoio da Associação Europeia de Proteção das Plantas (ECPA) e com a colaboração de diversas associações de produtores nacionais.