Cangurus-vermelhos são os novos “habitantes” do Jardim Zoológico

Cangurus-vermelhos são os novos “habitantes” do Jardim Zoológico

A partir de setembro, o Jardim Zoológico vai juntar aos seus dois mil animais um grupo de Cangurus-vermelhos (Macropus rufus), composto por quatro indivíduos. A maior espécie de marsupial chega agora a Portugal pela primeira vez, vinda de dois zoos franceses, informa o parque em comunicado.

De forma a assinalar a chegada dos novos habitantes, e levar mais longe a sua missão de conservação, o Jardim Zoológico preparou uma surpresa para os visitantes. No site oficial do parque, os interessados podem participar num passatempo para ganhar convites e poder conhecer ao vivo esta curiosa espécie. Para tal, necessita de responder às questões colocadas e subscrever o canal oficial de YouTube do Zoo.

Na entrada do parque, a sugestão é passar pela instalação dos novos moradores e desvendar todas as curiosidades sobre este grande marsupial australiano. O Jardim Zoológico recorda aos visitantes que podem aproveitar também a oportunidade de apadrinhar estes grandes animais e apoiar deste modo o projeto de conservação em que o parque participa no continente australiano.

No final de 2019 e início de 2020, o continente australiano foi fustigado por um conjunto de fogos florestais de grandes dimensões, que destruíram mais de 11 milhões de hectares de floresta, devastando a fauna e flora. Desde o início do flagelo, o Jardim Zoológico acompanhou de perto a evolução dos incêndios, através dos relatos da Dra. Kellie Leigh, a bióloga de campo destacada pelo Programa de Conservação de Koalas, que conta com a participação do Zoo desde 1991. Para além do trabalho de sensibilização, ao longo do primeiro semestre de 2020, o Jardim Zoológico promoveu uma angariação de fundos para o resgate e recuperação da fauna e flora australianas. A chegada dos novos habitantes à morada mais selvagem de Portugal tem também como objetivo relembrar a tragédia australiana, sensibilizando os visitantes para a ténue linha que separa uma espécie da extinção.