Covid-19: Impactos na qualidade do ar foram menores do que se esperava, diz novo estudo

Covid-19: Impactos na qualidade do ar foram menores do que se esperava, diz novo estudo

Categoria Advisor, Investigação

O primeiro confinamento da Covid-19 traduziu-se em mudanças significativas nos níveis de poluição do ar urbano em todo o mundo, mas tais mudanças foram menores do que se esperava, revela um novo estudo, da Universidade de Birmingham.

Depois de desenvolver novas correções sobre o impacto do clima e tendências sazonais, como a redução das emissões de NO2 do inverno para o verão, os investigadores avaliaram as mudanças nas concentrações de NO2, O3 e partículas finas (PM2.5) ambientais decorrentes de mudanças nas emissões em 11 cidades globais: Pequim, Wuhan, Milão, Roma, Madrid, Londres, Paris, Berlim, Nova Iorque, Los Angeles e Delhi.

Liderada por especialistas da Universidade de Birmingham, a equipa internacional de cientistas descobriu que as reduções benéficas de NO2 devido às restrições foram “menores do que o esperado”, após a “remoção dos efeitos do clima”. Paralelamente, as restrições causaram o “aumento das concentrações de ozônio (corrigidas pelo clima) nas cidades”, diz o estudo.

Segundo o estudo divulgado à imprensa, o NO2 é um importante poluente atmosférico das emissões do tráfego, associado a problemas respiratórios, enquanto o ozônio também é prejudicial à saúde e prejudica as plantações.

O estudo publicado na Science Advances, revela ainda que as concentrações de PM2.5 podem piorar as condições médicas como asma ou doenças cardíacas.

O autor principal Zongbo Shi, professor de Biogeoquímica Atmosférica da Universidade de Birmingham, comentou: “A redução rápida e sem precedentes da atividade económica proporcionou uma oportunidade única de estudar o impacto das intervenções na qualidade do ar. As baixas emissões associadas às restrições iniciais levaram a mudanças abrutas nos níveis de poluentes do ar, mas os seus impactos na qualidade do ar foram mais complexos do que pensávamos e menores do que se esperava”.

Segundo o investigador, “as alterações climáticas podem mascarar as mudanças nas emissões na qualidade do ar. É importante ressaltar que o nosso estudo forneceu uma nova estrutura para avaliar as intervenções na poluição do ar, separando os efeitos do clima e da estação dos efeitos das mudanças nas emissões”.

Roy Harrison, professor de Saúde Ambiental do Centenário Rainha Elizabeth II de Birmingham, co-autor, comentou disse que “a redução de NO2 será benéfica para a saúde pública – as restrições às atividades, especialmente ao tráfego, trouxeram um declínio imediato de NO2 em todas as cidades. Se níveis semelhantes de restrições tivessem permanecido em vigor, as concentrações médias anuais de NO2 teriam, na maioria dos locais, em conformidade com as diretrizes de qualidade do ar da OMS”.

William Bloss, professor de Ciências Atmosféricas, que também é coautor, disse que “encontramos aumentos nos níveis de ozônio devido às restrições em todas as cidades estudadas. Isso é o que esperamos da química do ar, mas isso irá neutralizar pelo menos alguns dos benefícios à saúde das reduções de NO2. As mudanças em PM2.5 diferem de cidade para cidade. As medidas de mitigação futuras requerem uma abordagem sistemática de controle da poluição do ar para NO2, O3 e PM2.5, que é adaptada para cidades específicas, para maximizar os benefícios gerais das mudanças na qualidade do ar para a saúde humana”.

A poluição do ar é o maior risco ambiental para a saúde humana em todo o mundo, contribuindo para 6,7 ​​milhões de mortes a cada ano.