Eficiência Energética e Gás Natural: ferramentas fundamentais para a redução de emissões na UE

Eficiência Energética e Gás Natural: ferramentas fundamentais para a redução de emissões na UE

Categoria Ambiente, Energia

A fundação Gas Natural Fenosa organizou hoje, em Barcelona, a conferência “Emissões, Eficiência Energértica e Gás Natural, onde especialistas apontam a eficiência energética e o uso do gás natural como pontos essenciais dentro da estratégia europeia para um crescimento sustentável e uma das formas mais rentáveis de reforçar a segurança do abastecimento energético e a redução das emissões de gases de efeito estufa.

O encontro reuniu um painel de especialistas internacionais que debateram, para além da importância do gás natural, o papel de iniciativas como a cogeração no setor industrial e no setor residencial e, também, o papel do gás natural no transporte terrestre e marítimo. Para além disso, a União Europeia espera assim conseguir os estudos necessários para procedimentos rentáveis que transformem a economia europeia seja mais ecológica e consuma menos energia.

Neste aspeto, o presidente da Gas Natural Fenosa , Salvador Gabarró, realçou que “o gás natural pode jogar um papel decisivo no mix energético da UE para conseguir um sistema mais descarbonizado, através de iniciativas como a cogeração na indústria e no setor residencial”.

Por outro lado, destacou também, o “papel que o gás natural pode exercer para reduzir as emissões do transporte terrestre e marítimo, que é outro dos principais focos de poluição atmosférica”.

No âmbito da conferência, o primeiro debate, sobre eficiência energética e emissões, foi moderado pelo assessor executivo da Fundação Gas Natural Fenosa, Manuel Ludevid, e contou com a participação do Diretor de Segurança e Mercados Energéticos da Agência Internacional da Energia, Keisuke Sadamori, do Professor Catedrático da Universidade Pompeu Fabra, Jordi Sunyer, e do membro de APANHAM Europe, Óscar Cubero .

Nas suas intervenções, os especialistas analisaram as tendências mundiais e europeias da eficiência energética, oferecendo informação sobre a evolução da eficiência energética por setores e países, bem como o seu impacto quantificado na redução de emissões.

O segundo debate, sobre gás natural e redução das emissões, foi moderado pelo presidente de Sedigas e diretor geral de Negócios Regulados da Gas Natural Fenosa, Antoni Peris, e contou com a participação do secretário-geral para a Mobilidade da Federação Internacional do Automóvel, Andrew Mckellar , do presidente de Balearia, Adolfo Utor, do presidente e conselheiro delegado de Wärtsilä, Jaako Eskola, e do administrador delegado da Iveco Espanha, Jaime Revilla.

O gás natural contribui para uma maior diversificação energética, ao reduzir a dependência do petróleo. Apresenta vantagens ambientais, porque supõe uma redução das emissões de dióxido de carbono (CO2) até 20%, contribuindo assim para baixar o efeito de estufa. Assim, permite reduzir as emissões de óxido de nitrogénio (NOx) até 85%, e evita a emissão de óxidos de enxofre (SOx) e partículas em suspensão, melhorando a qualidade do ar. Também apresenta vantagens económicas: a amortização da mudança para gás natural é inferior a 1 ano num veículo ligeiro, de 2 anos num veículo pesado e de 5 anos num ferryboat de média distância.