Fóssil com 500 milhões de anos pode ajudar no mistério dos primeiros animais

by Cristiana Macedo | 20 Junho 2018 09:29

Uma equipa de cientistas descobriu um fóssil de uma estranha criatura marinha que terá 500 milhões de anos e que pertence a um misterioso grupo de animais que os cientistas têm dúvidas onde encaixar na “árvore da vida”.

A criatura pertence ao grupo dos “Chancelloriidae”, animais fósseis a fazer lembrar esponjas do período cambriano (à volta de 500 milhões de anos atrás), em forma de tubo, que terão sido extintos rapidamente.

A semelhança com esponjas não é consensual entre cientistas. A nova descoberta, por uma equipa de cientistas das universidades de Leicester e Oxford, no Reino Unido, e Yunnan, na China, junta novos indícios que podem ajudar a resolver o mistério dos “Chancelloriidae”.

A investigação foi hoje anunciada na “Royal Society Proceedings”, uma publicação da Real Sociedade de Londres, uma instituição que promove o conhecimento científico.

A nova espécie, a que os investigadores deram o nome de “Allonnia nuda”, foi descoberta na China e era surpreendentemente grande, 50 centímetros ou mais, com apenas alguns pequenos espinhos. E dá indicações sobre o padrão de crescimento, com ligações claras às esponjas modernas.

Ainda que seja cedo para dizer que o mistério dos “Chancelloriidae” esteja resolvido a descoberta evidencia o papel central dos fósseis idênticos a esponjas no debate sobre a mais antiga evolução animal.

“Os fósseis “chancelloriidae” foram descobertos há quase um século mas resistiram às tentativas de os colocarem na árvore da vida. Consideramos que o padrão de crescimento corporal suporta uma ligação com esponjas, dando força a uma hipótese antiga. Não sugerimos que o caso esteja encerrado mas esperamos que os nossos resultados inspirem novas investigações sobre a natureza dos primeiros animais”, disse Tom Harvey, da Universidade de Leicester.

Source URL: https://www.ambientemagazine.com/fossil-com-500-milhoes-de-anos-pode-ajudar-no-misterio-dos-primeiros-animais/