Fundação Oceano Azul procura projetos que valorizem o pescado nas Áreas Marinhas Protegidas

Fundação Oceano Azul procura projetos que valorizem o pescado nas Áreas Marinhas Protegidas

A Fundação Oceano Azul acaba de lançar o “Blue Natural Capital Challenge”, uma iniciativa que desafia economistas a juntarem-se com juristas, cientistas, marketeers ou outros para, em conjunto, desenvolverem instrumentos que contribuam para a valorização económica do capital natural marinho português.

Sob o tema “Take less, Earn more”, a primeira edição deste concurso quer atrair projetos que valorizem o pescado nas Áreas Marinhas Protegidas (AMP) e áreas envolventes. Desta forma, aumentar-se-á o valor comercial do pescado através da valorização da sua origem, uma garantia de qualidade, refere um nota, partilhada pela Fundação Oceano Azul.

Os concorrentes – que devem submeter as suas propostas até dia 20 de maio de 2022 – são desafiados a apresentar soluções que, simultaneamente, aumentem o valor do pescado nas áreas marinhas protegidas e diminuam o número de capturas. “Pretende-se contribuir para um modelo económico mais sustentável e mais produtivo, invertendo a lógica de sobre-exploração do pescado e criando novos mecanismos na ação política”, lê-se na mesma nota.

De acordo com a Fundação Oceano Azul, à proposta vencedora será entregue um prémio de 150 mil euros para a sua implementação, a qual deverá ser uma intervenção de cariz económico, com contributos da área legal e da área de comunicação/marketing.

O projeto deverá, assim, provar que a valorização de recursos naturais, aumenta o valor comercial do pescado, beneficiando a atividade das pescas e tornando os pescadores em potenciais aliados das áreas marinhas protegidas.

“É urgente reunir esforços para mudar o atual paradigma económico, que não incorpora a valorização dos recursos naturais, contribuindo para a sua destruição ao invés da sua preservação. No caso concreto das pescas, a Fundação Oceano Azul acredita que o crescimento económico deve estar assente na criação de mais valor por unidade de captura, aproveitando a riqueza e diversidade do mar português. O fator diferenciador será a qualidade, e não a quantidade, de peixe pescado, valorizando-se a biodiversidade e o rendimento dos pescadores”, declara Tiago Pitta e Cunha, presidente executivo da Fundação Oceano Azul.

Para a Fundação Oceano Azul, só é possível proteger o oceano transformando a economia: “O “Blue Natural Capital Challenge” foi desenvolvido para encontrar novas e melhores soluções para este desafio”.

Datas-Chave: 

  • Propostas submetidas até dia 20 de maio de 2022.
  • Avaliação e seleção da proposta vencedora decorre durante o mês de junho de 2022.
  • Desenvolvimento do projeto decorre até à data final de 31 de dezembro de 2023.