Galp ultrapassa marco de 100 milhões de barris produzidos no Brasil em 20 anos de aposta no país

Galp ultrapassa marco de 100 milhões de barris produzidos no Brasil em 20 anos de aposta no país

Categoria Ambiente, Energia

A Galp atingiu o marco histórico dos 100 milhões de barris de petróleo e gás produzidos no Brasil, onde tem vindo a consolidar a sua posição como terceira maior produtora concessionária de petróleo e gás natural, através da sua subsidiária Petrogal Brasil. Os 100 milhões de barris foram ultrapassados no segundo trimestre deste ano, período em que a Galp assinalou outro importante marco no país: a produção média superior a 100 mil barris diários de petróleo e gás no Campo Lula, no pré-sal da Bacia de Santos, em que a Galp foi pioneira.

A prioridade do Brasil na estratégia da Galp está patente no volume de investimento acumulado desde a entrada da empresa no país, que ultrapassou recentemente os 5 mil milhões de dólares. Nos últimos anos, os projetos no Brasil corresponderam, grosso modo, a 80% do investimento total da unidade de negócio de Exploração e Produção de petróleo e gás (E&P) da empresa.

“A Galp investe no Brasil há cerca de duas décadas e pretendemos continuar a apostar neste país,” afirma o presidente executivo da Galp, Carlos Gomes da Silva. “A nossa presença tem uma perspetiva de longo prazo e insere-se na estratégia definida pelo Grupo para a área de upstream: garantir a sustentabilidade do portefólio de exploração e produção da Galp, que de-verá ser competitivo e rentável nos variados cenários de preços expectáveis de petróleo, incor-porando a avaliação da pegada carbónica da nossa atividade”, acrescenta.

Essa aposta tem prosseguido com o reforço da presença em algumas áreas, como o BM-S-8 e a área de Carcará Norte, e a entrada noutras de forma seletiva, através das rondas de licitação promovidas pela ANP. Os casos mais recentes foram as entradas na área C-M-791, na bacia de Campos, com uma posição de 20%, e no bloco Uirapuru, na bacia de Santos, com 14%. “A estratégia da Empresa passa pela identificação de ativos selecionados que possam ser desenvolvidos através de parcerias fortes em que a Galp tenha um papel ativo”, destaca Gomes da Silva, reforçando que a “a presença no Brasil visa o longo prazo e o compromisso com o desenvolvimento de projetos importantes para o crescimento do país”.

A Galp considera que a indústria do Oil & Gas brasileira tem um papel fundamental na perspetiva do processo de transição da economia mundial para um paradigma com menos emissões de CO2, uma vez que a economia mundial irá necessitar nas próximas décadas de uma quantidade crescente de energia que as novas fontes alternativas não conseguem assegurar, apesar do seu crescimento.

O petróleo e o gás continuarão, assim, a ser fundamentais para a satisfação das necessidades energéticas do Planeta, e os campos do pré-sal encontram-se entre os mais competitivos e produtivos do mundo, ou seja, entre aqueles suscetíveis de assegurar essas necessidades de energia a preços mais acessíveis.

A Petrogal Brasil, constituída em 1999, tem uma participação de 10% no consórcio que opera o bloco BM-S-11, onde se inclui o Campo Lula, que conta atualmente com sete unidades FPSO em funcionamento e onde se prevê a produção do primeiro óleo em duas unidades adicionais ainda antes do final do ano. A empresa emprega 79 pessoas no Rio de Janeiro. As operações da Galp no Brasil contam com alguns dos parceiros mais sólidos da indústria, como a Petrobras, a Sinopec, a Equinor, a ExxonMobil, a Total e a Chevron.