Governo informa que obras em curso no ciclo urbano da água atingem os 1,2 mil milhões de euros

Governo informa que obras em curso no ciclo urbano da água atingem os 1,2 mil milhões de euros

O secretário de Estado do Ambiente afirmou que o Governo aprovou mais de 300 novas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) e tem em curso obras no ciclo urbano da água de 1,2 mil milhões de euros, noticiou a Lusa.

“Neste momento e nesta legislatura, já com este Governo, aprovámos mais de 300 novas ETAR em Portugal (…). Isto corresponde a um esforço que só de investimento a fundo perdido é de 660 milhões de euros. E, se tivermos em conta aquilo que é também o esforço das entidades que as promovem e que já não são apoiadas, este valor é seguramente, pelo menos duplo, ou seja, temos obras em curso em Portugal, no ciclo urbano da água, de 1,2 mil milhões de euros”, afirmou Carlos Martins.

O governante falava em Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, onde se deslocou para inaugurar as obras de remodelação e de ampliação da ETAR local, um investimento de 514 mil euros.

Carlos Martins explicou que já passou o tempo de se fazerem investimentos em que passado algum tempo as infraestruturas estavam degradadas ou não cumpriam o seu desempenho ambiental.

“Passou o tempo e passámos também por essa experiência dolorosa, de fazermos o investimento, a inauguração e depois, passado algum tempo, termos as infraestruturas degradadas ou a não cumprirem o bom desempenho ambiental”, sustentou.

Já o presidente do Conselho de Administração da Águas do Vale do Tejo, José Sardinha, explicou que a remodelação e ampliação do nível de tratamento da ETAR de Proença-a-Nova aumentou a sua capacidade para o dobro, sendo que o seu dimensionamento está agora preparado para servir uma população de 4.650 habitantes.

A antiga ETAR encontrava-se a funcionar desde 2006, tendo sido dimensionada para servir uma população equivalente a 2.234 habitantes e a um caudal médio afluente de 326 metros cúbicos/dia.

“Apostámos também [na remodelação] no tratamento terciário que inclui a remoção de azoto e de fósforo, o que nos permite atingir uma qualidade de efluente de que nos orgulhamos. A água que está a ser devolvida ao meio ambiente está muito bem tratada”, concluiu.