Governos entram em nova era de colaboração para as alterações climáticas

Governos entram em nova era de colaboração para as alterações climáticas

Na abertura da Conferência sobre Alterações Climáticas das Nações Unidas em Bona, que começa hoje e termina no próximo dia 26 de maio, a representante das Nações Unidas para as Alterações Climáticas, Christiana Figueres (na foto), sublinhou que após a conclusão do histórico Acordo de Paris sobre Alterações Climáticas o ano passado, os Governos estão finalmente a superar a fase das negociações e a entrar numa nova era de colaboração.

Este encontro acontece algumas semanas depois de 176 países e a UE terem assinado o histórico Acordo de Paris desenhado em França em 2015, e é um evento de planeamento fundamental para a Conferência sobre Alterações Climáticas que terá lugar em Marraquexe em novembro deste ano.

“Com a adoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) abrimos portas a oportunidade de cumprir o desafio das alterações climáticas cumprindo a Agenda de 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, frisou.

Por sua vez, Ségolène Royal, ministra francesa do Ambiente e presidente do COP21, disse que a data de 12 de dezembro de 2015 (o último dia da conferência de Paris, quando o acordo ficou concluído) mostrou ao mundo que a comunidade internacional é capaz de se unir para responder ao desafio global do clima e envolver-se no caminho do desenvolvimento sustentável.

“Desde a conclusão do Acordo de Paris, a nossa prioridade é crescer a partir dos compromissos ambiciosos, equilibrados e justos que foram atingidos em dezembro, para reforçar a ação no terreno. As bases foram estabelecidas, e agora cabe-nos a nós construir a nossa casa comum. Apelo a que sejam construtores e facilitadores”, disse a ministra.

Por fim, Salaheddine Mezouar, futuro presidente da Conferência sobre Alterações Climáticas das Nações Unidas em Marraquexe (COP22) e ministro dos Negócios Estrangeiros de Marrocos, delineou os principais objetivos do encontro deste mês de novembro.

“A nossa ambição para o COP22 é contribuir para a adoção de procedimentos e mecanismos que permitam que o Acordo de Paris seja operacionalizado, e a adoção de um plano de ação para o período pré-2020, abrangendo a mitigação, adaptação e finanças e intensificando a capacidade de construção, da transferência de tecnologia e a transparência”, afirmou.