Indústria do Automóvel tem dado contributos significativos para uma mobilidade mais sustentável, diz Hélder Barata Pedro

Indústria do Automóvel tem dado contributos significativos para uma mobilidade mais sustentável, diz Hélder Barata Pedro

Categoria Ambiente, Resíduos

“Adaptação a uma nova realidade. Que oportunidades para o setor?” foi o tema central do 18.º Encontro da Valorpneu que se realizou esta quarta-feira em formato online.  

“O que é que vai mudar na mobilidade? Que tendências é que estão a surgir e que vão influenciar o setor dos pneus?” foram algumas das questões levantadas pelo jornalista, Pedro Pinto.

Para Hélder Barata Pedro, gerente da Valorpneu e secretário geral da ACAP (Associação do Comércio Automóvel de Portugal), a mobilidade é um “tema fundamental” nos dias de hoje, bem como para o bom “funcionamento” da sociedade e da economia: “Neste momento, 80% das deslocações são feitas através do meio automóvel: ligeiros ou pesados”. 

A “evolução” da indústria automóvel, ao longos dos últimos anos, é notória e, para o responsável, tais avanços têm contribuído para a “redução das emissões”, havendo uma “maior eficácia” na totalidade dos produtos do automóvel, inclusive os pneus: “Nos últimos 12 anos, a indústria automóvel reduziu as emissões em 45%. Não há um outro setor da atividade económica com uma redução de emissões tão acentuada”. Por outro lado, e no que à economia circular diz respeito, também o setor automóvel, na sua globalidade, tem dado contributos significativos, nomeadamente, na “reciclabilidade” dos produtos colocados em circulação. 

Mas a mobilidade que todos debatem está cada vez mais próxima daquela que é a “mudança de paradigma” marcada pelos “novos meios de mobilidade”, como por exemplo, o “carsharing” ou o “carpooling”. No entanto, a pandemia da Covid-19 veio atrasar a aceleração: “O transporte individual é hoje privilegiado por questões de fugir aos transportes massificados”, afirma. Mesmo assim, com a “estabilização” de todos os aspetos envolventes à pandemia, Hélder Barata Pedro acredita que a “normalidade” voltará e com ela virá um “grande desafio” ao nível da nova mobilidade: “Vamos ter carros autónomos e carros conectados”. Do ponto de vista do responsável, tratar-se-á de uma “alteração” focada no automóvel com “menos emissões” mas que será “fundamental” para mobilidade do dia-a-dia do cidadão. 

Relativamente à indústria dos pneus Hélder Barata Pedro não tem dúvidas do papel fundamental que assume, não só na “evolução” ao “nível tecnológico”, como, também, naquilo que é o “contributo para a economia circular” com os “processos de fabrico mais amigos de ambiente” e, a jusante, com a “reutilização e a reciclabilidade” que promove. 

Cristiana Macedo