Junta de Freguesia de Campolide cria centro de compostagem urbano na Quinta do Tarujo

Junta de Freguesia de Campolide cria centro de compostagem urbano na Quinta do Tarujo

Cê ao Cubo é o nome dado ao projeto promovido pela Junta de Freguesia de Campolide (JFC) que consiste na criação de um centro de compostagem na Quinta do Tarujo, em Lisboa.

Sendo a compostagem um processo biológico através do qual os microorganismos transformam a matéria orgânica (folhas, papel, restos de fruta e hortaliças) numa substância semelhante ao solo, denominada composto, este projeto tem como principal objetivo contribuir para melhorar a qualidade ambiental da freguesia, reforçada por uma forte componente pedagógica, de sensibilização e transformação de hábitos.

A construção deste centro, a partir da requalificação de um terreno expectante com cerca de 600 m2, iniciou-se em novembro de 2017 e, neste primeiro ano de implementação, regista-se um desvio de 17 toneladas de resíduos orgânicos verdes provenientes dos trabalhos da equipa de Departamento de Espaços Verdes da JFC enviados para aterro, transformados em composto orgânico.

Neste âmbito, o Cê ao Cubo potenciou, ainda, a reabilitação de uma horta na Escola EB1 Querubim Lapa, a realização de workshops dirigidos a universidades e ações de formação a profissionais e, a nível escolar, foram organizadas diversas visitas e oficinas educativas para sensibilizar os alunos para a prática da compostagem e adopção de práticas sustentáveis. Destas atividades resultou também um vídeo [ver aqui] em que, depois de algumas explicações, os mais pequenos deixam o apelo: “Façam compostagem por favor!”

“O Cê ao Cubo está no bom caminho e tem obtido resultados positivos. A instalação e operacionalização de um centro comunitário de compostagem de cariz pedagógico, na Quinta do Tarujo, visa criar neste local um novo ponto de atracão, bem como alertar a população para a problemática dos resíduos orgânicos e minimizar a perda de recursos através do processo de compostagem, o que se traduz no aumento de vida dos materiais no circuito de consumo”, afirma André Couto, presidente da Junta de Freguesia de Campolide, e acrescenta que “a curto-médio prazo, este projeto poderá abordar temáticas complementares, incluindo o combate ao desperdício alimentar e a melhoria da qualidade do solo”.

Ao longo dos próximos dois anos, será promovida a recolha de resíduos domésticos e o trabalho de sensibilização e mobilização dos residentes para a separação e entrega dos resíduos orgânicos será reforçado, de forma a abranger um maior número de agregados familiares e, assim, aumentar significativamente o desvio de resíduos orgânicos enviados para aterro.

Além da Junta de Freguesia de Campolide, também a Associação Viver Campolide e o Circular Economy Portugal são promotores do Cê ao Cubo, financiado pelo programa Bipzip, da Câmara Municipal de Lisboa. O projeto tem como parceiros o Agrupamento de Escolas Marquesa Alorna e a GreenNova.
Distinguida com a Bandeira Verde do programa Eco-Freguesias XXI e em primeiro lugar na categoria de “visão para o desenvolvimento”, a Junta de Freguesia de Campolide tem implementado várias iniciativas no âmbito da sustentabilidade ambiental e economia circular.