Mercedes-Benz dá mais um passo na mobilidade neutra em CO2

Mercedes-Benz dá mais um passo na mobilidade neutra em CO2

Categoria Advisor, Empresas

No caminho para a mobilidade totalmente elétrica, os híbridos plug-in representam o que talvez seja a “principal tecnologia de transição”. Com os seus modelos EQ Power, a Mercedes-Benz partilha em comunicado uma “oferta eficiente e que já vai na terceira geração, marcando mais um passo em direção à mobilidade neutra em CO2”. Os clientes da Mercedes-Benz poderão experimentar as vantagens desta tecnologia até ao final de 2020 em mais de 20 variantes de diferentes modelos.

No híbrido plug-in, as características positivas do motor elétrico e do motor de combustão complementam-se, compensando praticamente todas as limitações dos respetivos sistemas. A principal vantagem da tecnologia híbrida é a “possibilidade de conduzir localmente sem emissões (quando possível), em combinação com a autonomia do veículo convencional”, refere a marca. Já as baterias de iões de lítio relativamente eficientes garantem períodos de condução puramente elétricos que, em grande parte dos casos, são suficientes para as viagens do dia-a-dia. A Mercedes-Benz implementará essa tecnologia pioneira em todo o portfólio – do Classe A ao Classe S, do GLA ao GLE –  onde os motores de combustão recebem apoios elétricos, que extraem a sua energia de baterias que podem ser carregadas de forma conveniente e rápida em casa, ou em estações de carregamento no trabalho ou na rede pública.

A Mercedes-Benz Research utilizou métodos como o EQ Ready App para determinar as distâncias percorridas, em média, pelos condutores adeptos dos sistemas elétricos e híbridos. A análise mostra que um alcance puramente elétrico de 50 kms é suficiente para 90% de todas as viagens. A proporção de viagens mais longas é muito pequena – mais de 90% de todas as viagens são menores que 100 kms e a maioria das viagens é menor que 400 kms. Os híbridos plug-in de terceira geração são ideais para estes resultados.

Tecnologia híbrida plug-in para modelos compactos

Para modelos com um motor instalado transversalmente e a transmissão de dupla embraiagem 8G-DCT, foi desenvolvida uma tração híbrida compacta cuja máquina elétrica funciona como uma máquina síncrona permanentemente em ação com um rotor interno. A estrutura dos componentes híbridos permite que a Mercedes-Benz fique sem um acionador de partida clássico de 12 V, pois apenas o sistema elétrica é usado para a partida e impulsionar o motor de combustão. Além da eficiência, a unidade de acionamento compacta traz uma porção generosa de prazer e adequação ao uso diário. Os destaques técnicos dos híbridos compactos falam por si:

  • Autonomia elétrica de até 71 km (WLTP)
  • Potência elétrica 75 kW
  • Saída do sistema 160 kW
  • Binário do sistema 450 Nm
  • Velocidade máxima 140 km / h (elétrica) / 235 km / h (Classe A Limousine)
  • Aceleração 0-100 km / h em 6,6 segundos (Classe A Limousine)
  • Praticamente nenhuma restrição no compartimento de bagagem

Como aliança EQ Power, o sistema elétrico e o motor de quatro cilindros de 1,33 litros geram 160 kW (218 cv) e desenvolvem um binário máximo de 450 Nm. O binário total garante que os híbridos plug-in compactos reajam imediatamente ao pedal do acelerador. Os valores de desempenho são igualmente impressionantes: por exemplo, o A 250 e (consumo combinado de combustível 1,4-1,1 l / 100 km, emissões combinadas de CO2 31-24 g / km, consumo elétrico ponderado 20,4-23,4 kWh / 100 km) completa o clássico sprint de 0 a 100 km / h em apenas 6,6 segundos.

Tecnologia híbrida plug-in para instalação longitudinal

Desde o lançamento da tecnologia híbrida na Mercedes-Benz no ano de 2009 no Classe S 400 Hybrid, o sistema de transmissão foi sistematicamente desenvolvido para uma instalação longitudinal. Para a última geração, os engenheiros redesenharam, acima de tudo, o sistema elétrico da caixa plug-in 9G-TRONIC, tendo comemorado a sua estreia no Mercedes-Benz GLE 350de 4MATIC. O seu alcance elétrico consideravelmente mais longo em comparação com os outros híbridos plug-in garante uma experiência de condução elétrica ainda mais gratificante e localmente livre de emissões.

  • Autonomia elétrica de até 94 km (WLTP)
  • Potência elétrica 100 kW
  • Potência do sistema 235 kW / 320 cv
  • Binário de sistema 700 Nm
  • Velocidade máxima de até 160 km / h (elétrica) / 210 km / h (geral)
  • Aceleração de 0 a 100 km / h em 6,8 segundos

Com uma capacidade de bateria de 31,2 kWh, o GLE 350de atinge um alcance elétrico próximo dos 100 kms (WLTP) dependendo sempre do estilo de condução. Caso esse longo alcance seja insuficiente, o GLE 350de também permite carga rápida, usando carregamento de corrente alternada / CA e corrente direta / CC. Nas estações de carregamento rápido CC, o carregamento elétrico é possível em aprox. 20 minutos (10-80% do estado de carga (SoC)) ou em aprox. 30 minutos (10-100 por cento SoC).

Mercedes me Charge facilita o carregamento

Como opção, com o serviço Mercedes me Charge, os condutores de veículos híbridos plug-in Mercedes-Benz têm acesso a uma das redes de carregamento mais extensas do mundo. O reconhecimento natural de fala do sistema MBUX permite a procura de estações de carregamento nas proximidades ou ao longo da rota escolhida. O Mercedes me Charge facilita, deste modo, a procura, cobrança e pagamento do carregamento elétrico.

Estratégia operacional suporta o condutor

Os modelos EQ Power apoiam o condutor para uma condução eficiente, com uma estratégia operacional inteligente com base em rotas. O sistema recomenda o modo de condução elétrico que faz mais sentido em cada percurso, tendo em consideração, por exemplo, dados de navegação, topografia, limites de velocidade e condições de tráfego para toda a rota planeada. O que é conhecido como o ECO Assist ajuda a economizar eletricidade e combustível, podendo o consumo ser reduzido em até 5% em comparação com um perfil de condução normal.

Híbrido plug-in com potencial para economia de CO2

Os especialistas em meio ambiente da Daimler têm em consideração emissões e consumo de recursos ao longo de todo o ciclo de vida de um veículo, desde a extração de matéria-prima à produção, uso e recuperação. Apesar da maior utilização de energia na produção de um híbrido, a avaliação do ciclo de vida é positiva. O facto é que um híbrido plug-in Mercedes-Benz de 3ª geração produz uma saída de CO2 aproximadamente 20% maior que um modelo comparável convencional, e isso deve-se principalmente à bateria de alta tensão.

O uso sistemático da função de plug-in, ou seja, o carregamento regular da bateria pela rede, combinado com a maior eficiência no próprio status operacional, reduz a produção de CO2 em 40%. Se a bateria inicial for carregada exclusivamente com energia verde, a economia de CO2 dos modelos EQ Power da Mercedes-Benz aumentará para 70%. A forte capacidade de recuperação e a estratégia operacional inteligente garantem que a bateria nunca se descarregue completamente. Isto significa que a função elétrica pode suportar o motor de combustão repetidamente, mesmo em viagens longas.

Apesar da maior carga de CO2, devido à utilização superior de energia na produção, o híbrido plug-in economiza uma grande quantidade de CO2 em todo o ciclo de vida e, no melhor dos casos, atinge apenas cerca de 45% do total de emissões de um modelo comparativamente poderoso e convencional. Portanto, nesse caso, mais emissões de CO2 durante a fase de produção são um investimento que, ao usar o potencial elétrico por meio de carregamento regular, pode mais do que compensar ao longo de todo o ciclo de vida.

 

Foto cedida pela Mercedes