Ministros do Ambiente da UE juntam-se para debater estratégia de adaptação às alterações climáticas

Ministros do Ambiente da UE juntam-se para debater estratégia de adaptação às alterações climáticas

Categoria Advisor, Agenda

Os ministros do Ambiente da União Europeia (UE) juntam-se esta quinta-feira, em videoconferência, para trocar trocar impressões sobre a estratégia da UE em matéria de adaptação às alterações climáticas, apresentada pela Comissão Europeia a 24 de fevereiro. Presidida por João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Ação Climática, a sessão vai ainda centrar o papel do Programa de Recuperação e Resiliência no contexto de tornar o semestre europeu mais ecológico.

“Hoje vai ser um longo e importante Concelho”, começa por dizer, em vídeo, Matos Fernandes, destacando que confirma aquelas que foram as “duas conquistas” da presidência portuguesa: “A aprovação do mandato para discutir com o Parlamento Europeu o oitavo programa de ambiente e a estratégia para os químicos”. Também, a estratégia para a adaptação às alterações climáticas, um dos “temas fortes” da presidência portuguesa, vai igualmente fazer parte da lista e da agenda do dia, acrescenta o ministro do Ambiente.

Em pleno estão também as “discussões” com o Concelho relativamente à Lei Europeia do Clima, assegura Matos Fernandes que constata ser “fundamental partilhar não só do lado da presidência aquilo que tem acontecido nessas mesmas negociações como, também, perceber a margem de flexibilidade que encontramos do Concelho para prosseguirmos esta aprovação”. A Lei do Clima tem assim que ser “aprovada em consenso e de maneira a que nunca a União Europeia perca a liderança mundial no combate às alterações climáticas”, sustenta.

Numa lista e numa agenda comprida, Matos Fernandes destaca ainda a primeira discussão do regulamento das baterias: “Um produto que se vai multiplicar na Europa e no mundo nos anos mais próximos para fomentar a mobilidade elétrica”. E,  por isso é “fundamental ter um regulamento que defina bem o que são essas baterias e que as pense de acordo com todo o ciclo de vida do produto”, remata.

Cristiana Macedo