Morcegos ajudam agricultores a combater pragas de insetos no Alqueva

Morcegos ajudam agricultores a combater pragas de insetos no Alqueva

Colónias de morcegos estão a ajudar agricultores a combater pragas de insetos em explorações agrícolas na zona do Alqueva, no Alentejo, através de um projeto-piloto desenvolvido pela empresa gestora do empreendimento.

Segundo a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), num comunicado enviado à agência Lusa, o projeto pretende combater pragas de insetos nas culturas por meios naturais, potenciando a fixação de colónias de morcegos nas explorações agrícolas na área servida pelo empreendimento.

A iniciativa pretende “apoiar o agricultor no combate às pragas, diminuindo ou mesmo anulando os tratamentos específicos que são ministrados às culturas, tornando-as mais sustentáveis ambientalmente”, explica a empresa, referindo que “há cada vez mais agricultores a aderir ao projeto”.

“O morcego, sendo um animal insetívoro, afigura-se como um importante aliado do homem no combate biológico aos insetos, que, na maior parte das vezes, constituem pragas para as culturas”, nomeadamente os mosquitos e a traça da azeitona, refere a EDIA.

Através do projeto, explica, são instaladas caixas/abrigos “especialmente concebidas para refúgio” de morcegos em locais previamente selecionados nas explorações agrícolas, “maioritariamente em árvores”.

Desta forma, criam-se condições para que colónias de morcegos arborícolas ocupem as caixas/abrigos e, a partir daí, é possível “aproveitar a voracidade destes animais para um combate efetivo às pragas nas culturas”.

De acordo com a empresa gestora do Alqueva, cada morcego da espécie que ocupa as caixas pesa em média seis gramas e consome por noite metade do seu peso em insetos e cada caixa pode albergar cerca de 200 morcegos.

Assim, os cerca de 200 morcegos instalados em cada caixa poderão comer e ser responsáveis pela “dizimação” de 240 mil mosquitos ou 120 mil traças da azeitona por noite.

Por mês, os cerca de 200 morcegos instalados em cada caixa poderão comer e ser responsáveis pela “dizimação” de sete milhões e 200 mil mosquitos ou três milhões e 600 mil traças da azeitona, o que “pode representar uma captura de 18 quilos de insetos”.