Município da Maia atinge novo recorde na recolha seletiva de resíduos

Município da Maia atinge novo recorde na recolha seletiva de resíduos

Categoria Ambiente, Resíduos

Apesar do contexto socioecónomico condicionado, derivado à pandemia da Covid-19, o município da Maia alcançou, em 2020, um “novo recorde na recolha seletiva de resíduos”, tendo a Maiambiente registado “mais de 22 mil toneladas recolhidas, que representam 34,28% do total de resíduos”, superando os valores de 2019 (33,96%)”.

Segundo a empresa, trata-se de um “excelente resultado” ao qual se soma o índice de “Retomas de Recolha Seletiva” a atingir os 82 kg habitantes por ano e a “Taxa de Preparação para Reutilização e Reciclagem” que atingiu os 48%.

Representando a recolha seletiva mais de 65 mil toneladas, os fluxos de resíduos mais recolhidos foram: papel (4.352 ton.), a registar um acréscimo de mais 15,6%, vidro (3.680 ton.), com mais 6,5%, e embalagens (3.437 ton.), com um acrescento de mais 12,3%. Contribuiu, ainda, para estes resultados, entre outros, a recolha de resíduos verdes, resíduos de construção e demolição, de madeira, objetos volumosos, plástico, resíduos elétricos e eletrónicos e resíduos têxteis. Contudo, fruto da pandemia da Covid-19 houve um “recuo de resíduos orgânicos recolhidos”, lê-se no comunicado.

De acordo com a Maiambiente, face a 2019, em termos globais, a quantidade total de resíduos recolhidos cresceu residualmente em cerca de 391 toneladas, com o contributo dos recicláveis em 343 toneladas e dos indiferenciados em 48 toneladas.