Município de Avis desenvolve “Plano de Gestão e Valorização de Sítios e Monumentos Arqueológicos”

Município de Avis desenvolve “Plano de Gestão e Valorização de Sítios e Monumentos Arqueológicos”

Consciente da importância científica e cultural do seu legado, o Município de Avis tem promovido, na última década, um conjunto de ações orientadas para o estudo e preservação do património arqueológico local. Considerando o enquadramento arqueológico do concelho, assim como as estratégias de investigação desenvolvidas através do Centro de Arqueologia, foi desenvolvido o “Plano de Gestão e Valorização de Sítios e Monumentos Arqueológicos (PGVSMA)”.

Segundo o município, o PGVSMA visa a criação das bases para um modelo de gestão da intervenção arqueológica onde se promova a articulação entre a componente científica e as vertentes pedagógica, cultural e turística, constituindo, assim, um instrumento essencial que possibilitará não só apresentar e implementar medidas que contribuam para a salvaguarda e valorização do património local, mas também avaliar e adequar, de forma permanente, as suas orientações face ao avanço da investigação e em função das opções estratégicas que daí advêm.

A aplicação do PGVSMA garante a proteção e conservação dos locais abrangidos e assume um papel determinante na partilha desse legado através da compreensão e usufruto por parte da comunidade em geral, contribuindo para a educação patrimonial e dinamização cultural e turística do concelho.

A primeira fase de desenvolvimento do PGVSMA, a realizar entre 2016 e 2018, está orientada para a valorização do património megalítico do concelho de Avis, integrando-se, como componente complementar, no projeto de investigação “Território e espaços de morte da Pré-História Recente. Os primeiros trabalhos foram iniciados no dia 29 de março, tendo possibilitado a desmatação e limpeza dos monumentos a intervencionar em 2016. Em seguida serão implementadas as medidas de conservação dos locais, com a reposição/colocação de materiais de contenção da vegetação e a definição dos perímetros de proteção aos monumentos, realizando-se, simultaneamente, a atualização dos registos arqueológicos.