No dia 15 de outubro arderam cerca de 190 mil hectares de floresta. Quase metade da área ardida este ano

No dia 15 de outubro arderam cerca de 190 mil hectares de floresta. Quase metade da área ardida este ano

Categoria Ambiente, Florestas

Os incêndios que deflagram a 15 de outubro consumiram 190.090 hectares de floresta, quase metade (45%) da área ardida este ano, revela o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), citado pela Lusa.

Segundo o relatório provisório do ICNF, os dois incêndios que consumiram mais área ardida a 15 de outubro ocorreram ambos no distrito de Coimbra, tendo o do concelho da Lousã queimado 43.941 hectares e o de Oliveira do Hospital 43.191. Estes dois fogos foram também os maiores registados em 2017, ano em que as chamas consumiram um total de 418.087 hectares, o segundo pior depois de 2003.

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15 de outubro, o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades, provocaram 45 mortos, cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais em estado grave, obrigando ainda à evacuação de localidades e ao realojamento de populações. Além dos 43.191 hectares de floresta consumida pelas chamas, o fogo em Oliveira do Hospital provocou ainda 12 mortos, sendo o concelho com maior número vítimas mortais.

Segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil, as vítimas mortais registaram-se maioritariamente nos distritos de Coimbra (24), Viseu (16) e Guarda (quatro). Portugal registou também outra situação grave de incêndios que provocou mortos, tendo o fogo que deflagrou a 17 de junho em Pedrógão Grande causado, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Os dados provisórios do ICNF indicam que este incêndio de Pedrógão Grande consumiu uma área de 27.364.

Ao longo de 2017, registaram-se ainda “grandes incêndios florestais” no concelho da Sertã (Castelo Branco), que a 23 de julho consumiu 29.758, e na Pampilhosa da Serra (Coimbra), que a seis de outubro devastou 30.142 hectares.

*Foto de Lusa