Novo sistema de aterragem da Indra reduz emissões de CO2 e poluição sonora

by Cristiana Macedo | 22 Setembro 2020 09:00

O sistema de aterragem da próxima geração Normarc GBAS da Indra, proporciona “maior flexibilidade” para que as aeronaves possam seguir diferentes caminhos de aproximação e fazer descidas contínuas, mais rápidas e mais curtas ao aterrar, informa a empresa.

Estas funcionalidades, segundo a Indra, permitem “reduzir o tempo de voo, o consumo de combustível, as emissões de CO2 e a poluição sonora nas proximidades”. E os custos de manutenção no aeroporto são também reduzidos, uma vez que um “sistema é suficiente para cobrir as aterragens em todas as pistas”.

De acordo com a empresa, os sistemas GBAS são uma das tecnologias que os fornecedores de serviços de navegação terão de implementar a fim de se adaptarem à nova realidade, imposta pela Covid-19 e melhorarem a eficiência de custos a longo prazo. Esta tecnologia permitirá que os aeroportos aumentem a sua capacidade quando o mercado recuperar, sublinha em comunicado a Indra.

Por outro lado, populações localizadas perto de aeroportos vão verificar uma redução dos níveis de ruído: “Os aviões vão poder voar mais alto ao aproximarem-se do aeroporto e fazer aproximações mais pronunciadas e rápidas com menos inconvenientes para os habitantes que vivem perto dos aeroportos”, possibilitando assim a “construção de novos edifícios residenciais em áreas anteriormente consideradas inabitáveis ou para reduzir as medidas de atenuação do ruído existentes”, refere o mesmo comunicado.

A estação terrestre GBAS GAST D é composta por sensores GPS, uma estação de processamento e uma antena VHF para a transmissão de dados às aeronaves que se aproximam. Um único sistema é capaz de gerir até 48 aproximações simultâneas, cobrindo todas as pistas e heliportos do aeroporto.

O sistema GBAS GAST D da Indra é o único sistema capaz de orientar o desembarque em condições de baixa visibilidade e a empresa está a fazer progressos no processo de certificação para operações de categoria III, o máximo possível. A Indra instalou estações de ensaio em diferentes aeroportos. O mais recente encontra-se no aeroporto de Tenerife Norte, onde está a trabalhar com o fornecedor de serviços de navegação ENAIRE para validar o desempenho do sistema em regiões equatoriais.

Source URL: https://www.ambientemagazine.com/novo-sistema-de-aterragem-da-indra-reduz-emissoes-de-co2-e-poluicao-sonora/