“Os recursos vêm da Europa mas as ideias vêm de cada país”, reforça von der Leyen

“Os recursos vêm da Europa mas as ideias vêm de cada país”, reforça von der Leyen

O Plano de Recuperação e Resiliência pertence a todos os Estados-membros: “Todos os europeus devem ter a oportunidade de recuperar desta crise”. E para tal, a União Europeia vai coligir 750 mil milhões de euros a todos países para que juntos se unem na luta contra a pandemia da Covid-19, mas também na recuperação: “Cabe a cada país usar da melhor forma esta oportunidade”.

As declarações são de Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, na sessão de abertura “Intervir na nossa resiliência, climática e social” da Conferência Interparlamentar sobre Estabilidade, Coordenação Económica e Governação na União Europeia, realizada esta segunda-feira. 

Na sua intervenção, von der Leyen reconheceu que a situação ainda é difícil e “não estamos onde gostaríamos de estar”, pelo que “continuar a ter respostas rápidas” é fundamental. Por essa razão, “a Comissão lançou um programa de cooperação público-privada entre a ciência, o setor da saúde, autoridades como a Agência Europeia de Medicamentos e a indústria” para se “investigar as variantes, lançar ensaios clínicos na Europa e fabricar vacinas atuais e adaptadas às variantes”, declara. 

Mas, centrando-se na recuperação pós-Covid-19, a presidente da Comissão Europeia reiterou que “aproveitar recuperação não é voltar ao que tínhamos”, sendo este o “momento de construir o futuro”. E o “NextGeneretaion EU” vai permitir moldar uma “economia melhor” para a Europa, e vai ajudar as empresas a ultrapassar a crise e a criar mais empregos, assim como tornar a Europa mais verde, digital e inclusiva. De acordo com von der Leyen, o programa pode ajudar a reduzir as emissões de CO2, criando empregos a curto-prazo ou também lançar uma “onda de renovação” de edifícios residenciais na Europa, trazendo uma “nova vida” ao setor da construção, sem esquecer a recuperação das florestas e a preservação da biodiversidade. O confinamento traduziu-se num aceleração da digitalização, mas nem todas as empresas e trabalhadores estão a conseguir a acompanhar a rápida inovação: “O NextGeneretaion EU pode ajudar a financiar a educação digital” e ser um impulsionador do lançamento de uma “era digital” para a Europa, ajudando cada país consoante as suas necessidades. Este é assim o momento para que cada Estado-membro crie o seu roteiro para a era digital, afirma von der Leyen, constatando que os  próximos meses serão cruciais para “reequilibrar as injustiças” e “criar uma economia justa”.

Por fim, a presidente da Comissão lembrou que no próximo mês cada país deverá que apresentar os seus projetos e planos para aproveitar o NextGeneretaion EU, encorajando todos os planos nacionais para contribuir para este processo: “Os recursos vêm da Europa mas as ideias vêm de cada país, do empenhamento e envolvimento (de cada um) para que o investimento europeu seja verdadeiro”. 

Cristiana Macedo