PAN questiona ministro do Ambiente sobre atraso na abertura ao mar da Lagoa de Santo André

PAN questiona ministro do Ambiente sobre atraso na abertura ao mar da Lagoa de Santo André

O PAN (Pessoas – Animais – Natureza) questiona o ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, com vista a procurar obter esclarecimentos sobre a razão efetiva pela qual não foi ainda realizada neste ano a abertura ao mar da Lagoa de Santo André (concelho de Santiago do Cacém), ao contrário do que aconteceu com a Lagoa de Melides (Grândola).

Em comunicado, o partido indica que anualmente, pela primavera, realiza-se a abertura da Lagoa de Santo André ao mar, habitualmente no mês de março, com o objetivo da renovação das respetivas águas e consequente melhoria da qualidade e preservação dos ecossistemas, sob a coordenação da Agência Portuguesa do Ambiente, através da ARH do Alentejo, e em colaboração com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

De acordo com denúncias recebidas, o PAN refere que neste ano a abertura da lagoa ao mar não foi realizada, “alegadamente por motivos de segurança”, atendendo à pandemia por Covid-19. Contudo, o mesmo critério “não terá sido seguido no caso da Lagoa de Melides, cuja abertura ao mar se realizou, com a salvaguarda da segurança sanitária exigida e com a implementação de medidas de restrição de acesso ao local”, diz.

Para o PAN, o procedimento de abertura da lagoa ao mar reveste-se de extrema relevância para “assegurar não só a qualidade da água das lagoas de Santo André e Sancha”, mas também com “manifestos reflexos na manutenção da qualidade e diversidade dos ecossistemas associados a este corpo lagunar”.