Plantas interrompem crescimento quando percebem que há pouca água, diz estudo

Plantas interrompem crescimento quando percebem que há pouca água, diz estudo

Categoria Advisor, Investigação

As plantas têm um mecanismo que lhes permite saber se o ambiente é adequado para o crescimento, e interrompem esse crescimento em caso de falta de água, indica um estudo, ao qual a agência Lusa teve acesso.

Publicado na revista científica “Nature Plants”, o estudo foi liderado por Elena Baena-González, investigadora principal do Instituto Gulbenkian de Ciência e membro da Unidade de Investigação GREEN-IT, dedicada à inovação no melhoramento de plantas para assegurar a sustentabilidade ambiental e a segurança alimentar, e usando tecnologias limpas.

De acordo com um comunicado do Instituto Gulbenkian de Ciência, o estudo, que teve a colaboração de outros grupos de investigação, “levanta questões sobre como ocorreu a transição do meio aquático para o meio terrestre durante a evolução e revela dados importantes que podem ajudar a definir estratégias de desenvolvimento de culturas mais resistentes à seca”.

Lembrando que as plantas usam a fotossíntese para converter luz solar, água e dióxido de carbono nos açúcares de que precisam para crescer, e lembrando a água como fator essencial no crescimento das plantas, o Instituto explica que  “as plantas desenvolveram mecanismos para monitorizar a disponibilidade de água no solo e comunicar essa informação a tecidos distantes” que agem de acordo com essa informação.

“Quando a água é escassa, é produzida uma hormona que induz o fecho muito rápido dos poros das folhas (estomas) de modo a evitar perdas de água pela transpiração. A par disso, o crescimento da maioria dos órgãos é interrompido, para que os recursos possam ser usados em medidas de proteção. Até agora, desconhecia-se como é que a escassez de água resulta na interrupção do crescimento das plantas”, diz-se no comunicado.

Os investigadores descobriram que os sinais da hormona estão ligados a um “sistema regulatório altamente conservado constituído por duas proteínas”, que controlam o crescimento de todos os eucariotas (animais, plantas, fungos e protistas).

Em condições favoráveis há um crescimento celular normal, que é interrompido quando essas condições não são as melhores, sendo que nas plantas além de um sinal que é dado sobre os nutrientes também há um sobre a quantidade de água disponível, segundo Elena Baena-González, citada no comunicado.

Os investigadores acreditam que este sistema pode ter sido crucial para o estabelecimento das plantas no meio terrestre, ao manter o gasto de recursos e o crescimento ao mínimo quando a água era escassa.