Portugueses procuram cada vez mais carros “amigos do ambiente”

Portugueses procuram cada vez mais carros “amigos do ambiente”

No âmbito do Dia Mundial do Ambiente, celebrado a 5 de junho, o Standvirtual acaba de divulgar alguns dados que demonstram a tendência crescente do mercado de carros ecológicos – elétricos e híbridos – tanto na procura como na oferta. Curiosamente, o portal automóvel registou números superiores na procura (pesquisas), face à oferta (número de anúncios inseridos no portal).

Os carros híbridos são os preferidos, tendo registado um crescimento da procura de 113% nos primeiros quatro meses de 2016, face ao período homólogo. Já do lado da oferta, a categoria de carros híbridos registou um aumento de 75% de anúncios no portal, face ao mesmo período do ano passado. Nesta categoria, o Peugeot 508, o Honda Civic e o Citroën DS5 são tanto os carros mais pesquisados, como os carros com maior número de anúncios no portal. De acordo com os anúncios registados no Standvirtual, um carro híbrido tem um valor médio de 26.296 euros.

Já nos carros elétricos, a procura no portal automóvel durante os primeiros quatro meses do ano, registou um crescimento de 87%, enquanto que a oferta registou um crescimento de 75%, face ao período homólogo. No top 3 de carros elétricos mais pesquisados pelos utilizadores do Standvirtual, situam-se o Nissan Leaf, o Renault Zoe e o Renault Twizy, respetivamente. Já os carros elétricos mais oferecidos no portal são o Nissan Leaf, o Renault Twizy e o Renault Zoe, respetivamente. Em média, um automóvel híbrido regista um valor de 20.678 euros no Standvirtual.

Para Miguel Lucas, Site Manager do Standvirtual, “estamos a assistir claramente a uma tendência crescente do mercado de carros ecológicos. Cada vez mais há uma maior consciencialização para com o meio ambiente, para além de que os custos de utilização são significamente menores. Adicionalmente, muitas empresas têm vindo a renovar a sua frota automóvel com carros ecológicos, tendo em conta os benefícios fiscais inerentes, de acordo com as novas regras da Fiscalidade Verde que entraram em vigor o ano passado”.