Valorfito aposta na sensibilização dos agricultores de menor dimensão em 2019

Valorfito aposta na sensibilização dos agricultores de menor dimensão em 2019

Categoria Advisor, Empresas

No passado dia 29 de março, o Valorfito distinguiu uma vez mais 12 empresas portuguesas na 7.ª edição dos seus Prémios. A sustentabilidade do setor agrícola português esteve em destaque neste sétimo encontro e a Ambiente Magazine aproveitou o rescaldo da cerimónia para fazer um balanço do trabalho do Valorfito e conhecer perspetivas futuras.

António Lopes Dias, diretor geral do Valorfito, afirma que “2018 destaca-se por ser o ano em que o Valorfito recolheu mais de metade das embalagens de produtos fitofarmacêuticos (52%)”, com Beja a ser o distrito com maior taxa de recolha (111,1%).

Os principais desafios “continuam a ser as taxas de recolha de biocidas e sementes para uso profissional”, o que segundo o diretor do Valorfito, começará a ser colmatado com “estratégias de aproximação a zonas e agricultores de menor dimensão” e com a “implementação de novos pontos de retoma a nível nacional”.

Renovação de licença e gestão de novos resíduos

O Valorfito renovou a sua licença no início do ano passado e passou a integrar a gestão de novos resíduos. António Lopes Dias faz um balanço referindo que o Valorfito está “acima dos 50% de taxa de retoma no fluxo ‘core” (fitofármacos)’ e arrancámos bem no 1.º ano no fluxo de sementes e menos bem no fluxo de biocidas”.

“A taxa de retoma média de 45% no conjunto dos fluxos, logo no 1.º ano da nova licença é um excelente resultado e dá-nos confiança de que atingiremos o nosso objetivo de 60% em 2021. Em matéria de reciclagem, 100% do plástico, e metal retomados são reciclados. Os materiais compósitos e de papel são incinerados com recuperação energética”, adiciona.

O responsável assegura que as 11 ações de esclarecimento realizadas (Lisboa, Faro, Évora, Santarém, Coimbra, Vila Real, Ponte de Lima, São Miguel, Angra do Heroísmo, Funchal e São Vicente) “foram fundamentais para informar os principais atores do sistema, os pontos de retoma e os agricultores, acerca das novidades trazidas pela nova licença”.

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos

No passado mês de março foi aprovado o Plano de Ação Nacional para o Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos e, no que ao Valorfito diz respeito, “existe um compromisso para recolher o máximo possível de embalagens vazias, bem como o alargamento da rede à totalidade dos pontos de venda” por forma a alcançar uma agricultura cada vez mais sustentável e com menores impactes ambientais.

Já os objetivos do Valorfito para 2019 passam, sobretudo, pela “sensibilização do segmento de agricultores de menor dimensão [de idade mais avançada e menor literacia] e a implementação de mais postos de retoma de biocidas e sementes para uso profissional”.