Politécnico de Setúbal apoia equipa de estudantes no Concurso Europeu CanSat

Politécnico de Setúbal apoia equipa de estudantes no Concurso Europeu CanSat

Categoria Advisor, Investigação

Transformar uma lata de refrigerante num micro-satélite funcional é o desafio do concurso CanSat Portugal 2017, promovido pela Ciência Viva (Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica) e a ESA (Agência Espacial Europeia).

Neste âmbito, o Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) decidiu  apoiar a equipa de estudantes da Escola Secundária D. João II de Setúbal, que participou pela primeira vez na competição e que foi uma das quinze equipas a nível nacional apuradas para disputar a final portuguesa nos Açores.

Para participarem na competição os estudantes têm de cumprir duas missões. A “missão primária”, comum a todas as equipas, a qual consiste em medir a pressão atmosférica e a temperatura durante a queda do satélite que é lançado a cerca de 1.000 metros de altitude, enviar esses dados via-rádio para o computador na base da missão, situada em terra, e garantir a recuperação do satélite. A “missão secundária” é proposta por cada equipa. No caso da equipa da Escola Secundária D. João II, consistiu em analisar o valor da aceleração durante a queda do satélite e assim compreender se o seu comportamento é igual ao que se estuda em sala de aula.

“Para o sucesso da missão foi necessária uma antena que garantisse uma comunicação eficaz entre o satélite e a base situada em terra”, contam. Foi aqui que surgiu o apoio e parceria com o IPS, que estudou o problema, disponibilizou uma antena com características adequadas para receber os dados do satélite e transmitiu à equipa conhecimentos fundamentais ao nível da transmissão de sinais via-rádio, bem como sobre a forma correta de utilização e operação da antena.