1º programa nacional de aceleração de projetos da bioeconomia azul com três startups vencedoras

1º programa nacional de aceleração de projetos da bioeconomia azul com três startups vencedoras

Participantes 1ª edição do Programa de Aceleração Blue Bio Value; Foto de Pedro Pina

A Fundação Oceano Azul e a Fundação Calouste Gulbenkian anunciam os vencedores da 1ª edição do Programa de Aceleração Blue Bio Value, desenvolvido em parceria com a Fábrica de Startups, a Bluebio Alliance e a Faber Ventures: a Holandesa Hoekmine e as Portuguesas Undersee e SEAentia. Os três projetos vencedores receberam um total de 45 mil

euros para desenvolver os seus projetos.

A startup holandesa Hoekmine apresenta uma tecnologia altamente inovadora de desenvolvimento de cores com base em bactérias marinhas, substituindo a utilização de químicos, cores que podem ser aplicadas em vestuário, cosméticos, automóveis e muitas outras indústrias. As vencedoras nacionais são a Undersee, nascida em Coimbra, que desenvolveu um dispositivo e aplicação para recolher dados de qualidade da água em tempo real e a SEAentia, nascida em Cantanhede, que se dedica a uma produção sustentável em aquacultura de corvina num sistema de recirculação. Seguindo um conceito de economia circular, a empresa espera expandir a produção de algas, mexilhões e outras espécies.

José Soares dos Santos. Foto de Pedro Pina

Na cerimónia de encerramento do programa, José Soares dos Santos, fundador e presidente da Fundação Oceano Azul, enalteceu a coragem dos empreendedores que deram um passo importante e saíram da sua zona de conforto, para muitos o laboratório, para criar um negócio e uma empresa. “É preciso ser especial para ser empresário e estes empreendores demonstraram ter o que é necessário.” E acrescentou: “O resultado desta primeira edição vem confirmar que a aposta de ambas as Fundações foi correcta e portanto a próxima edição deve ser ainda mais ambiciosa, no sentido de criar também condições de incubação e de crescimento para as startups.”

A presidente da Fundação Calouste Gulbenkian realçou o empenho da Fundação em “acelerar a transição para uma economia azul sustentável, que ajude a criar empregos e a fomentar o progresso de uma forma inteligente, inclusiva e amiga do ambiente”. Isabel Mota acrescentou que ao impulsionar “modelos de negócio de impacto positivo, acreditamos que estaremos a promover padrões sustentáveis de produção e consumo”.