ALGAR aposta em fontes de energias renováveis

ALGAR aposta em fontes de energias renováveis

Categoria Ambiente, Energia

Com o objectivo de evitar o excessivo consumo de recursos naturais, a Algar tem apostado na modernização e melhoria contínua dos seus equipamentos e infraestruturas, procurando aumentar a sua eficiência. Neste sentido, a empresa concluiu recentemente a construção do parque solar fotovoltaico da Estação de Transferência de Faro/Loulé/Olhão para autoconsumo energético. Esta infraestrutura serve de cobertura no parque de estacionamento, evitando a acção dos agentes climatéricos sobre as viaturas e, permite, ainda, a produção da energia necessária para que as instalações que ali funcionam sejam energeticamente autossuficientes durante o período laboral. Para uma potência instalada de 153.6 kWp, conforme solução concebida, a produção expectável de energia elétrica pela central é de cerca de 266,2 MWh/ano.

As grandes metas do projecto traduzem-se na promoção da eficiência energética com redução dos consumos energéticos de combustíveis fósseis, no uso generalizado de energias renováveis (permitindo a descentralização da produção de energia), a racionalização dos custos e do impacte ambiental (com base nos investimentos em novas formas de energia) e, na redução das emissões de dióxido de carbono (CO2), contribuindo para a redução dos GEE´s.

A empresa tem, ao longo dos tempos, procurado dinamizar e implementar novas medidas práticas e inovadoras que visem reduzir o consumo de energia elétrica, tendo para isso já iniciado um novo estudo de viabilidade técnico-económico para a instalação de um parque solar fotovoltaico no Aterro Sanitário Barlavento e, posteriormente, se viável, na Central de Valorização Orgânica em São Brás de Alportel.

O projeto obteve um financiamento comunitário do FEDER através do Programa Operacional Regional do Algarve – PO Algarve 21 – que se encontra inserido no QREN. Considerando o investimento de 208.000€ e uma taxa de comparticipação de 65% com um máximo de apoio de132.782€ do FEDER, o payback esperado é de cerca de quatro anos.