Galp apresenta oportunidades de negócio no mercado moçambicano

Galp apresenta oportunidades de negócio no mercado moçambicano

Categoria Advisor, Empresas

A Galp e a Eni, sob a égide da AICEP, apresentaram esta quinta-feira, dia 8, em Maputo, oportunidades de negócio associadas aos grandes projetos de exploração de gás natural que se encontram em fase de arranque no norte do país, a 120 empresas de capital português.

O evento, designado “Rede de Fornecedores”, destinou-se a mostrar Moçambique como um país de múltiplas oportunidades de investimento e com grandes perspetivas de crescimento de longo prazo, promovendo o crescimento das empresas portuguesas que já operem ou que venham a operar no país.

A Eni apresentou os procedimentos de procurement e as condições de acesso de fornecedores ao projeto, tendo sido a apresentação das oportunidades associadas ao desenvolvimento da rede de distribuição de produtos petrolíferos em Moçambique da responsabilidade da Galp Moçambique.

Nesta iniciativa marcaram presença empresas de vários setores de atividade, como a formação, construção civil, equipamentos marítimos, consultoria de engenharia, metalúrgica, metalomecânica, fornecimento de equipamentos e consumíveis, e diversos serviços de apoio.

Para a Galp, “o desenvolvimento de relações comerciais e de parcerias com fornecedores de bens ou de serviços que assegurem o cumprimento de condições comerciais e técnicas, mas também a legislação existente nos países onde opera, é vital para a execução dos ambiciosos projetos em que está envolvida”, refere a empresa em comunicado.

“Os projetos de produção de gás natural em Moçambique são um vetor fundamental na estratégia da Galp enquanto empresa instrumental na transição para uma economia de menos teor carbónico, dado o papel determinante que o gás natural assumirá nas próximas décadas, nomeadamente no transporte terrestre e marítimo de mercadorias, no backup às energias renováveis, ou na substituição de fontes de energia primária mais poluentes, como o carvão, na produção de eletricidade”, acrescentam.