Investimentos na mobilidade eléctrica vão incentivar indústria de alumínio

Categoria Ambiente, Energia

A política de mobilidade eléctrica chinesa poderá aumentar de forma significativa a procura de alumínio. Esta é a previsão da Novelis. Inc, fornecedor deste material. Isto acontece porque a China estabeleceu a meta para que, pelo menos 30% da frota do Governo seja alimentada por fontes de energia alternativa até 2016, medidas do executivo chinês para combater a poluição e reduzir a dependência energética, de forma a deixar de ser o maior emissor de carbono a nível mundial.   Assim sendo, o uso de alumínio nos automóveis, na China, no Japão e na Coreia do Sul, os países asiáticos que mais fabricam automóveis, que actualmente é de 50 mil toneladas deverá crescer pelo menos 30% por ano ao longo da próxima década, indicou Shashi Maudgal, presidente da Novelis Asia, numa entrevista em Changzhou, citado pela Bloomberg.   "A China tem metas muito agressivas no que diz respeito aos veículos eléctricos e se isto se verificar, este aumento de 30% será muito superior", disse. "É um país que nos pode surpreender muito pelo seu ritmo de crescimento, que poderá ser superior ao dos outros. O alumínio utilizado na construção dos carros tem vindo a descolar porque as preocupações ambientais têm vindo a ganhar importância e terão cada vez mais no futuro".