Ministros da União para o Mediterrâneo comprometem-se a intensificar esforços para uma economiza azul no Mediterrâneo

Ministros da União para o Mediterrâneo comprometem-se a intensificar esforços para uma economiza azul no Mediterrâneo

Os ministros dos 42 países da União para o Mediterrâneo (UpM) concordaram em intensificar esforços para uma economia azul no Mediterrâneo. Este esforço que promover a recuperação sustentável das economias afetadas pela crise da Covi-19 e, ao mesmo tempo, combater os desafios ambientais e climáticos.

Seis anos após a primeira Declaração Ministerial da União para o Mediterrâneo sobre Economia Azul , os ministros adotaram uma nova declaração, comprometendo-se em promover políticas e ferramentas transformadoras, como clusters marítimos ou planeamento espacial marítimo, e apoiar a transformação para tecnologias de baixa emissão, economia circular, projetos ligados ao “lixo marinho”, energias renováveis ​​marinhas e turismo baseado na natureza.

“Hoje, os países da União para o Mediterrâneo concordaram com a transição para uma economia azul verdadeiramente sustentável, como parte da nossa estratégia para recuperar a crise Covid-19 e enfrentar os graves impactos das aleterações climáticas e da degradação ambiental. Este é um passo fundamental para a gestão sustentável do Mediterrâneo e uma contribuição para as ambições do Acordo Verde europeu”, disse o comissário para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius.

Por seu turno, o ministro dos Transportes do Reino Hachemita da Jordânia, Marwan Alkhitan, destacou que o “nosso esforço para o desenvolvimento económico baseia-se numa economia azul, preservando tudo o que é único e autêntico no nosso ecossistema. Envolver todas as partes interessadas neste processo é essencial para tornar os princípios e práticas da Economia Azul”.

Medidas da Declaração Ministerial sobre a Economia Azul Sustentável:

  • Fortalecimento da cooperação em  matéria de economia azul e governança marítima;
  • Facilitar a transição para uma economia azul, reduzindo as pressões sobre o meio ambiente e investindo em modelos de negócios mais sustentáveis ​​(energia marinha renovável, transporte marítimo verde, economia azul circular, etc.);
  • Promover a pesca e a aquicultura sustentáveis, incluindo uma nova estratégia ambiciosa da Comissão Geral das Pescas do Mediterrâneo (CGPM) para o período 2021-2025;
  • Atender ao desemprego e às necessidades de perfil na economia azul através do desenvolvimento de competências, conhecimento, inovação e pesquisa;
  • Reforçar a cooperação em questões de segurança marítima e proteção, incluindo a cooperação da guarda costeira.