Quase 20 espécies de borboletas no Mediterrâneo podem desaparecer

Quase 20 espécies de borboletas no Mediterrâneo podem desaparecer

Um total de 19 espécies de borboletas da região mediterrânica, 15 delas frequentes, estão prestes a desaparecer, segundo um estudo promovido pelo Centro de Cooperação do Mediterrâneo da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). O relatório, apresentado no Congresso Mundial da Natureza da UICN, que se realiza no Havai até 10 de setembro, avaliou 462 borboletas nativas do Mediterrâneo, das quais 21% só se encontram na região, principalmente no norte da África.

Os pesquisadores detetaram que a maior riqueza de espécies está nas zonas montanhosas do sul da França, norte da Grécia e sul da Turquia, onde a grande diversidade de microclimas favorece muitas espécies destes insetos emblemáticos e muito populares. No entanto, Catherine Numa, do Centro de Cooperação do Mediterrâneo da UICN, adverte que “continua a faltar informação sobre a distribuição geográfica das borboletas, sobre o tamanho de suas populações e tendências, sobretudo das espécies que se encontram ao sul e leste do Mediterrâneo”.

Os autores do estudo concluem que entre as principais ameaças para as borboletas mediterrânicas estão a transformação de prados em zonas agrícolas de cultivo ou uso florestal, os níveis insustentáveis de pastoreio e o abandono de certos métodos de cultivo. A isso somam-se outras ameaças importantes, como a mudança climática, a frequência e intensidade dos incêndios e o desenvolvimento do turismo.

Os especialistas chegam à conclusão de que a gestão adequada do habitat melhoraria a conservação destes espécies “tão valiosas”, e propõem medidas urgentes para salvaguardar o capital natural da região mediante o pleno cumprimento da legislação nacional e internacional, e dos planos de recuperação de ecossistemas.

“As borboletas estão a diminuir em muitos lugares da Europa mediterrânica devido à mudança dos sistemas agrícolas e poderiam chegar a desaparecer se não atuarmos de forma urgente”, afirma Chris van Swaay, presidente da organização Butterfly Conservation Europe e um dos autores do estudo.

A publicação inclui um exemplo do Programa de Recuperação de Espécies desenvolvido pela Butterfly Conservation Europe para a sobrevivência a longo prazo de quatro borboletas frequentes do Mediterrâneo na Espanha (Euchloe bazae, Polyommatus golgus, Polyommatus violetae e Plebejus zullichi). O Centro de Cooperação do Mediterrâneo da UICN avalia o estado de conservação de uma seleção de grupos taxonómicos na região mediterrânica e a Lista Vermelha de Borboletas é a nona publicação desta série.