ZERO defende criação de Área de Emissões Controladas para combater poluição atmosférica oriunda dos navios

ZERO defende criação de Área de Emissões Controladas para combater poluição atmosférica oriunda dos navios

Categoria Agenda, Energia

A ZERO, em parceria com outras ONG europeias pertencentes à Rede Europeia de Ação Climática (CAN Europe) – Our Fish, AirClim, Ecologistas en Acción, Eco-Union e Swedish Society for Nature Conservation – e com a Scieana, organiza esta quinta-feira, dia 30 de junho, entre as 8:30 e as 9:30, um evento associado da Conferência dos Oceanos das Nações Unidas no espaço colaborativo Ocean Base Camp, junto à Marina do Parque das Nações.

O evento, com o título “The indivisible link: European NGOs priority areas for action on oceans and climate”, pretende dar a conhecer a diversidade do trabalho que diversas ONG europeias desenvolvem para alcançar um objetivo comum: restauração e gestão sustentável dos oceanos e das atividades a eles relacionadas, protegendo simultaneamente os ecossistemas marinhos vitais que fornecem inúmeros serviços para as pessoas e o clima.

Através de apresentações curtas e dinâmicas seguidas de um momento de partilha e discussão, o evento está orientado para destacar as possibilidades e soluções para o desenvolvimento sustentável das atividades relacionadas com o oceano, desde as pescas, ao transporte marítimo, ao turismo sustentável e às práticas de conservação, lê-se numa nota de agenda, divulgada pela associação.

A ZERO focará no tema do combate à poluição atmosférica oriunda dos navios como um passo vital na proteção da saúde humanas e dos ecossistemas, advogando a criação de uma Área de Emissões Controladas (ECA, na sigla inglesa) no Atlântico Nordeste.

Portugal como impulsionador de uma ECA no Atlântico Nordeste

Com a criação da SECA no Mediterrâneo, as prospetivas para torná-lo também numa Área de Emissões Controladas de óxido de azoto (NECA, na sigla inglesa) estão no horizonte, a criação de uma ECA no Atlântico Nordeste ao longo da costa portuguesa apresenta-se como o próximo passo mais lógico. Criar uma zona integrada de emissões controladas, conectando as existentes ECA do Mar Báltico, Mar do Norte e Canal da Mancha e a SECA do Mediterrâneo através do Atlântico Nordeste, é um passo fundamental para o combate à poluição do ar resultante do transporte marítimo e consequente proteção do ambiente e vidas humanas em todo o continente europeu.

Considerando os comprovados impactos significativos das emissões dos navios tanto para o ambiente, como para a saúde humana, em particular das comunidades costeiras, a ZERO defende a necessidade de Portugal agir no sentido de “minimizar, tanto quanto possível, os efeitos da poluição atmosférica associada aos navios ao longo da sua costa”.

Por tudo isto, a ZERO acolhe positivamente o compromisso anunciado por António Costa no primeiro dia da Conferência dos Oceanos, de criar uma Área de Emissões Controladas no mar português: “É agora crucial aproveitar este ímpeto e desenvolver uma política de coordenação com outros países do Atlântico Nordeste para que se possa efetivar uma Área de Emissões Controladas integrada do Mar Báltico ao Mar Mediterrâneo”, defende.