Equipa do Porto cria equipamento para combater derrames de petróleo no mar

Equipa do Porto cria equipamento para combater derrames de petróleo no mar

Categoria Advisor, Investigação

Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), no Porto, estão a desenvolver uma solução para “combater derrames de petróleo” através de veículos autónomos e drones, contou hoje a responsável pelo projeto. Em declarações à Lusa, Ana Paula Mucha, investigadora do CIIMAR responsável pelo projeto europeu “Spilless”, explicou que é através de micro-organismos existentes em amostras de água, recolhidas pela equipa, da costa norte portuguesa e da costa da Galiza, em Espanha, que vai ser possível “degradar as manchas de petróleo”.

“Os micro-organismos com capacidade para degradar petróleo já existem na natureza, só que em quantidades pequenas. Portanto, o que fazemos no laboratório é selecionar os micro-organismos que têm essa capacidade e, depois, produzimos em maior escala para que sejam aplicados no caso de existirem derrames”, afirmou.

O projeto “Spilless – First-line response to oil spills based o native microorganism cooperation”, que começou a ser desenvolvido em fevereiro de 2017 e termina em janeiro, conta ainda com o apoio do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), que está a desenvolver os veículos autónomos, os drones e os veículos aquáticos e subaquáticos que integram este projeto.

“O INESC TEC está a desenvolver um sistema que permite, antes de mais, detetar e circundar as manchas de petróleo, de modo a que os veículos que transportam as bactérias num depósito possam aplicar o tratamento nas zonas onde estão as manchas”, clarificou a investigadora.

Para Ana Paula Mucha, esta é uma solução “ambientalmente sustentável”, visto que evita a introdução de compostos químicos e outros micro-organismos nas águas, e que permite uma resposta “rápida e muito mais barata”. “Esta solução permite uma resposta rápida, porque a mobilização destes veículos é muito eficaz e, também, muito mais barata. Assim como também evita que os operadores e pessoal técnico especializado na limpeza destes derrames esteja em contacto direto com a mancha de petróleo”, sublinhou.

A equipa do CIIMAR responsável pelo projeto já desenvolveu o equipamento piloto e prevê, que nos próximos dois anos, a solução “entre numa fase que possa ir para o mercado”.

O projeto europeu Spilless, coordenado pelo CIIMAR, foi premiado esta semana com o Atlantic Projet Awards 2018, que visa destacar projetos que impulsionam a economia azul e que preservam o equilíbrio ambiental e ecológico do oceano Atlântico.