OnStrategy: Setor da energia em Portugal “não figura no top 20 das indústrias com melhores índices de reputação”

OnStrategy: Setor da energia em Portugal “não figura no top 20 das indústrias com melhores índices de reputação”

A consultora OnStrategy divulgou recentemente o estudo “Top Industries RepScore”, um indicador que apoia os stakeholders de 40 setores da atividade económica na construção de notoriedade e confiança.

De acordo com o estudo, o setor da Energia em Portugal teve um “índice de reputação” na dimensão “moderada” com 61.4. À Ambiente Magazine, Pedro Tavares, CEO da OnStrategy, considera este valor “positivo”, quando comparado com o indicador que o setor tinha em 2015 (54,7). No entanto, em relação às outras indústrias, verifica-se que se trata de um setor que “não figura no top 20 com melhores índices de reputação”. Esta evidência “não foge à tendência internacional” onde são representativos tanto este setor como “todos os setores onde existe uma forte componente de serviço associada”, levando Pedro Tavares a afirmar que as organizações desta indústria devem ter uma preocupação mais acentuada para com os seus colaboradores. “Entre os touchpoints (pontos de contacto) para construir reputação, são os colaboradores os mais relevantes, entre os meios tradicionais, digital e social media, patrocínios, marketing direto, merchandising e ponto de venda / atendimento”.

Questionado sobre o Top das marcas do setor de energia mais valiosas em Portugal, o responsável identificou cinco marcas que recolhem melhor perceção reputacional, alargando o conceito do setor às indústrias de energia, gás e petróleo. Em primeiro lugar da lista surge a GALP com 74,4, seguida da EDP (73,0), REPSOL (63,6), ENDESA (61,5) e, por fim, a PRIO (60,6). No entanto, quando se fala no valor financeiro de marca, as duas posições invertem-se: EDP (2.302 M€), GALP (1.332 M€), REPSOL PORTUGAL (188 M€), ENDESA PORTUGAL (148 M€) e PRIO (101 M€).

Sobre o índice de confiança dos portugueses relativamente ao setor, Francisco Tavares, afirma que é de “66 pontos”. No entanto, destaca que esse mesmo indicador em termos médios para as duas principais marcas é de “75 pontos” tendo evoluído dos “63 pontos registados em 2015”.

Objetivos do Estudo

O “Top Industries RepScor” desenvolve-se ao longo do ano, auditando painéis representativos da sociedade para discutir questões relativas a mais de 40 setores da atividade económica nacional. Neste processo são identificados e auditados distintos stakeholders, sendo a informação recolhida online junto de mais de 40 mil cidadãos e “face to face” junto de mais de 10 mil cidadãos representativos da sociedade Portuguesa em termos de distribuição geográfica, género, idade e grau de formação.

Segundo a consultora, o objetivo deste trabalho passa por “identificar e ponderar os vários stakeholders; identificar, qualificar, ponderar e quantificar todos os atributos e dimensões emocionais e racionais que suportam o posicionamento e a reputação (produtos e serviços, inovação e diferenciação, ambiente de trabalho e bem estar, cidadania e responsabilidade social, governo e ética, liderança e visão, performance de negócio) das marcas, setores de atividade e do país”, e ainda “quantificar os comportamentos de suporte e consequentes a essas perceções” (admiração, relevância, confiança, preferência, intenção de compra, recomendação, defesa em situação de crise, intenção de trabalhar e intenção de investir).

Cristiana Macedo