Schneider Electric prevê alcançar objetivo de neutralidade de carbono cinco anos antes do previsto

Schneider Electric prevê alcançar objetivo de neutralidade de carbono cinco anos antes do previsto

Categoria Advisor, Empresas

A Schneider Electric anunciou na Climate Week 2019, em Nova Iorque, que está a intensificar drasticamente o seu compromisso com a neutralidade de carbono, com o objetivo de combater a principal causa do aquecimento global. A empresa está disposta a alcançar a neutralidade carbónica em todo o seu ecossistema nos próximos cinco anos, e não nos 10 anos que estavam anteriormente previstos. Pretende também conseguir que as suas operações sejam de zero emissões em 2030, bem como chegar a um compromisso com os seus fornecedores de forma a conseguir uma cadeia de distribuição limpa em 2050.

De acordo com Jean-Pascal Tricoire, presidente e CEO da Schneider Electric, “as alterações climáticas são a maior ameaça para a saúde e o bem-estar da nossa sociedade. Devemos trabalhar em conjunto para reduzir as nossas emissões de carbono e deter o aumento da temperatura”. Para o responsável máximo da empresa, a questão climática é de importância vital. “O nosso compromisso com a neutralidade carbónica está refletido nas nossas decisões comerciais e administrativas, mas precisamos de continuar a insistir, e de o fazer de forma mais rápida”, declara.

Objetivo: energia limpa e acessível
A Schneider Electric estabeleceu várias redes de segurança para garantir que as comunidades não se vejam negativamente afetadas durante este período de transição. O programa Access to Energy da empresa vai proporcionar eletricidade a 80 milhões de pessoas em 2030 e vai capacitar mais de um milhão de pessoas desfavorecidas até 2025.

Para isto, a empresa conta com dois veículos de investimento destinados a financiar start-ups de caráter inclusivo, ou seja, cuja atividade contribua para a energia limpa e acessível. Segundo esta estratégia de financiamento, a Schneider Electric procura aumentar o número de lares e pequenas e médias empresas conectadas à rede em áreas remotas (África, Índia e o sudeste asiático), bem como diminuir o número de habitações que sofram de pobreza energética na Europa.

“O acesso à energia é um direito humano básico, mas é também crucial que tenhamos em conta os efeitos do consumo de energia no meio ambiente”, indica Tricoire. “Devemos encontrar formas de conseguir que as populações energeticamente pobres acedam à energia e se desenvolvam de uma forma sustentável”.

A inovação e a colaboração são chave
“O compromisso com a neutralidade do carbono em toda a nossa cadeia de distribuição é uma tarefa desafiante que requer que as empresas desenvolvam novos modelos de colaboração com fornecedores, sócios e clientes”, expõe Gilles Vermot Desroches, diretor de sustentabilidade da Schneider Electric. “A mudança climática só se pode ultrapassar mediante a inovação e a colaboração, e a Schneider Electric vai continuar a assumir a liderança, com produtos e serviços que vão ajudar a conseguir um progresso significativo no que toca aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU”, destaca.

A Schneider Electric adotou uma abordagem colaborativa para as soluções ambientais com produtos, soluções e serviços que as empresas podem utilizar em todas as etapas do seu caminho em direção à sustentabilidade. Por exemplo, o programa interno Smart Factory aplica as soluções EcoStruxure da Schneider Electric em toda a sua cadeia de distribuição global, tratando-se de um método infalível para impulsionar a eficiência operativa e energética. Para além disso, a empresa lançou recentemente a Schneider Electric Exchange, uma plataforma de crowdsourcing para ideias inovadoras, capazes de enfrentar desafios no ecossistema energético.

A Schneider Electric também reforça a sua contribuição para o SDG17 (United Nations Global Compact), unindo-se à iniciativa Business Ambition for 1.5ºC, que trata de soluções escaláveis e replicáveis para que as empresas tenham um futuro limpo, e também ao Global Compact LEAD.