Gaia vai substituir luminárias públicas de cinco mil ruas por iluminações com tecnologia LED

Gaia vai substituir luminárias públicas de cinco mil ruas por iluminações com tecnologia LED

Depois de algumas ações pontuais, a Câmara Municipal de Gaia vai levar a cabo uma operação de substituição de todas as luminárias no concelho por iluminações com tecnologia LED de última geração, permitindo uma maior eficiência luminosa e um consumo energético consideravelmente inferior. O arranque dos trabalhos decorrerá esta sexta-feira,, 23 de julho, pelas 14h30, no Jardim da Mouta, em Perosinho, lê-se numa nota divulgada pelo município.

Com este compromisso que agora se inicia, o município garante, não apenas a redução direta e imediata do valor a pagar, como assegura ainda um contributo considerável no sentido da diminuição do impacto ambiental, de modo a dar mais um passo para salvaguardar o futuro das próximas gerações. Em termos concretos, “estima-se que a redução do consumo de energia em iluminação pública seja de aproximadamente 78%, passando para cerca de 5.900.000,00 KW, com um valor inferior a um milhão de euros anuais”, precisa a mesma nota.

A iluminação pública em Vila Nova de Gaia é um esforço que é levado a cabo pela Câmara Municipal para garantir os níveis de luminosidade necessários e suficientes nos vários arruamentos, praças, jardins e espaços públicos em geral, de forma a contribuir para a segurança e bem-estar de todos.

Sendo um serviço que é prestado com recurso ao consumo de energia elétrica e cuja fatura é paga diretamente pelo município, o valor correspondente está diretamente relacionado com o tamanho das áreas geográficas e das suas várias componentes. No caso de Vila Nova de Gaia, tratando-se do terceiro maior concelho em Portugal, com grandes áreas rurais, mas também com áreas urbanas e vias estruturantes, apenas o facto de existirem cerca de cinco mil arruamentos já permite antecipar o peso que a iluminação pública tem no orçamento anual da Câmara Municipal. Atualmente, segundo o município, o consumo de energia com iluminação pública é de cerca de “27.000.000,00 KW”, com um valor próximo dos “quatro milhões de euros anuais”.

Estes valores são, segundo a autarquia, um motivo de reflexão pelo impacto ambiental direto. “As lâmpadas usadas, baseadas em tecnologias pouco eficientes e obsoletas, são na sua maioria construídas com recurso a materiais tóxicos, como o vapor de sódio ou os iodetos metálicos, necessários à garantia de uma operação contínua e prolongada no tempo”. Além disso, “a dissipação do calor nestas lâmpadas torna-as ainda menos eficientes do ponto de vista energético já que necessitam de ainda mais energia para colmatar esse défice, inerente à própria tecnologia”, refere o município.