Governo prevê pelo menos 10 milhões de ajuda aos agricultores da Região Centro

Governo prevê pelo menos 10 milhões de ajuda aos agricultores da Região Centro

O Governo vai apresentar esta semana as medidas de apoio aos agricultores da região Centro afetados pela tempestade Leslie, devendo o total das ajudas ultrapassar os 10 milhões de euros. O montante dos apoios do Estado às unidades do setor atingidas pelo furacão Leslie, que devastou especialmente municípios do Litoral Centro, no fim de semana, “não será inferior a 10 a 15 milhões de euros”, disse na passada sexta-feira, dia 19, o ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, citado pela agência Lusa.

De momento, os serviços do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural (MAFDR) estão ainda a fazer o levantamento dos prejuízos causados há uma semana pelo mau tempo, que “são muito elevados”, reconheceu, indicando que a apresentação das medidas deverá ser feita “na segunda ou na terça-feira”.

Capoulas Santos falava aos jornalistas em Negrelos, concelho de Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, no final de uma sessão na sede da Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela (ANCOSE), à qual o Ministério da Agricultura vai doar 500 ovelhas da raça autóctone bordaleira que serão depois distribuídas por pastores da região afetados pelos fogos de 2017. Antes, o ministro esteve no vizinho concelho de Tábua, onde visitou uma exploração pecuária, na freguesia de Midões, que perdeu as ovelhas devido ao fogo e cuja recuperação foi apoiada ao abrigo de um projeto aprovado pelo MAFDR.

Capoulas Santos disse que os donos estão satisfeitos com a intervenção e testemunhou “a expressão sorridente do agricultor e sua família” durante a sua deslocação à Quinta do Pico, na companhia do secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Vieira. “São perdidos dois anos de vida até os rendimentos serem recuperados”, lamentou.

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, defendeu que o Governo deve estudar a possibilidade de conceder às unidades de produção agrícola apoios ao nível dos que são atribuídos às indústrias destruídas pelos fogos, na ordem dos 85% do investimento elegível.

José Carlos Alexandrino lamentou que os agricultores beneficiem de “ajudas apenas de 50%” e informou que a autarquia está disponível para cobrir os restantes 15% se o executivo de António Costa decidir reforçar esse apoio para 85% com recurso a verbas do Orçamento do Estado.

No entanto, Capoulas Santos rejeitou a sugestão, defendendo que Portugal deve tirar ao máximo partido das ajudas da União Europeia no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020).

Foto: Reuters